11 May 2009

FOI SÓ UM MOMENTO



Eu continuo aqui. Perdida em algum ponto entre a certeza e o abismo. Que ponto será esse, já me cansei de tentar descobrir.
A vida é cheia de encruzilhadas, eu sei.
Mas é que eu sou humana. Aliás, demasiado humana. E como a todos, também me é dado o direito de me cansar de vez em quando. Cansaço de facto, aquele do fundo da alma.
É um cansaço verdadeiro e legítimo, que a gente tem que viver para deixar de ser, já que não há outra forma. Ou se há, eu desconheço.
Há dias, cansei-me. Por um momento, e para mim foi quase um infinito. Eu cansei-me.
Cansei-me de ter que fazer opções, de ter que saber se o melhor é ir por aqui ou por ali. Cansei -me de não ter todas as estradas do mundo abertas, disponíveis, esperando que eu seja tudo aquilo que eu quiser ser.
É sempre assim: isto ou aquilo, e nem sempre se consegue tomar uma decisão.
Porque há momentos em que a gente quer tudo, e ponto final.
Assim, simplesmente.
Há dias em que a vida, assim, a vida como ela é, não basta.

O último a sair, é favor apagar a luz.

24 nhận xét :

salvoconduto said...

Não apago a luz porque sei que quando estás no teu quarto gostas sempre de vislumbrar os objectos que te rodeiam.

Quero crer que estás a recuperar, testemunha disso é defenderes o teu presidente com unhas e dentes. Olha que se ele exigiu do Asif Ali Zardari, o presidente do paquistão, que combatesse ferozmente os talibãs bem lhe podia ter recomendado que deixasse um corredor aberto para os inocentes. Se não o fez de início devia tê-lo feito mal soube da tragédia que ali se está a passar, coisa que ainda não aconteceu e entretanto...

Quando estiveres totalmente recuperada continuamos com esta troca de "mimos".

Abreijos.

:DouG said...

Lindo texto, querer tudo é cansativo; e ainda sim queremos.

Miepeee said...

Eu sei que é uma frase cliché, mas crer é poder e no meu caso que sou teimosa que nem uma mula, crer é acontecer.
Por vezes demora um pouco mais do que se deseja mas acaba-se por conseguir ;)
Apagar a luz? Tenho medo do escuro :P
Beijo daqui ate ai.

mjf said...

Olá!
Blue, a vida é feita de escolhas diárias. Traçamos diáriamente o nosso caminho.
Quando nos cansamos temos, de fazer uma pausa, refectir e depois seguir em frente...
Todas as nossas decisões são uma valor acrescido...
Mesmo as más...

Beijocas
Boa semana

Gata2000 said...

Bluezinha, estava a ficar preocupada. Primeiro pensei que talvez tivesses ido desanuviar a NY, depois começei a pensar que devia mandar email, hoje vinha decidida, mas estás de volta.
Estou tão contente.É muito estranho, as imagina que me fazes muita falta.
Espero que estejas melhor da maleita que te atacou, faz-lhe um "XOU" ou se quiseres eu "empresto-te" o meu bébé lindo que imita na perfeição um leão quando quer intimidar e faz um "GRAUUU" a esses problemas de saude.
Mas por favor não fiques tanto tempo caladinha.
Miaus enormes e beijinhos grandes.

Antonio saramago said...

QUANTAS VEZES EU JÁQ DESEJEI QUE A LUZ SE APAGASSE DEFINITIVAMENTE!!!

Donagata said...

Prefiro assim! prefiro que te soltes. Todos te entendemos. Provavelmente uns mais do que outros. Mas, é absolutamente legítimo quereres TUDO. E também cansares-te de o procurar.

Um beijo grande.
E espero-te aqui, amanhã...

Antonio saramago said...

Sobre o teu post anterior quero dizer-te que és fundamental nas nossas casas feitas de letras e eu compreendo muito bem as ausências, quer sejam de expôntanea vontade ou de forças maiores.
Já estás a recuperar e isso é o fundamental.

O Fio da Meada said...

toda a gente passa por momentos maus.
é lugar comum as pessoas que rodeiam e gostam de quem está numa situação dessas, a incentivarem, tentarem ajudar através das mais variadas formas

uma ocasião, num momento menos bom da minha vida, tive a sorte de conhecer uma pessoa que, ao tomar conhecimento desse meu problema, abordou-me com uma conversa no mínimo estranha

primeiro, serviu para me desviar a atençaõ do proprio problema, para numa segunda fase me fazer voltar a ele para aí sim tomar conhecimento da 'real perspectiva' do problema, o meu problema

tirando toda aquela argumentação meio filosófica da verdadeira dimensão do problema, gravidade, formas de o ultrapassar etc, porque, mesmo que para os outros essa dimensão e gravidade sejam menores ou nulas, o facto é que 'aquel problema' é um problema para nós (ponto final parágrafo) e é aqui que entra a parte esquisita da coisa

o problema (fosse ele qual fosse) era comparado com uma congestão (disse ele que era a comparação mais aproximada que conseguia fazer) e argumentou

as pessoas quando se sentem mal-dispostas, com vontade de vomitar, o que é que fazem? tomam tudo o que lhes vem à cabeça para lhes aliviar a má-disposição inclusive, tomam todas as medidas para não vomitarem, quando a primeira medida que deviam tomar era precisamente, vomitar

a vontade de vomitar numa má-disposição não é mais que a reacção orgânica de defesa a algo que está a correr mal no organismo, erradamente contrariamos essa reacção quando deviamos seguir o curso natural da vida

o paralelismo deste exemplo com os problemas, ainda para mais sendo a natureza dos problemas tão vasta, como todos sabemos, parece inexistente, contudo o raciocínio é feito, na forma como se está dentro do problema

o que é que se faz quando se tem um problema? obviamente, toda a gente o faz, tenta sair dele, resolvendo-o se possível

errado, segundo ele, antes de se tentar sair do problema, deve-se 'saborear' o problema

«este gajo é maluco» pensei eu..

'saborear' o problema, é definir na plenitude tudo o que envolve esse problema, e o importante nesta fase é ter a coragem de não querer sair desse problema, viver/definir/compreender/assumir o problema coloca-nos automaticamente na posse do controlo desse problema, e a partir do mometo que controlamos o problema, estamos com poder para a resolução desse problema

mais, permite-nos ganhar defesas (e não receios) para outros problemas, idênticos ou não

bem, eu não sou gajo de deixar as coisas baratas, arranjei-lhe logo um problema daqueles de criar pele de galinha

toxicodependência, atirei eu, «segundo aquilo que você me está dizer, um toxicodependente, deverá então fazer o tal esforço por se manter no problema, continuando no consumo, o consumo mantém a dependência, ora isto mantém-no no circulo vicioso do qual ele quer sair»

acontece que o broblema do tox. é precisamente o sair do vício, não o vício, de forma que o que ele tem de viver/definir/compreender/assumir é a saida, a ressaca, que toda a gente sabe que é tramada, porque os riscos, as prisões, privações, roubos, humilhações, etc., que vive durante o consumo, não é isso que o motiva a sair, por vezes tudo isso até serve de tónico para justificar a vida movimentada e preenchida que leva

quando começa a viver algumas ressacas, ou parte delas, quando a droga escasseia, aí sim vai começando a tomar consciência do real problema que o espera, a saída

a 'real perspectiva' é então, viver (estar a sentir na pele a ressaca), definir (é mau, muito mau), compreender (os motivos são conhecidos), assumir (aquilo tudo está a acontecer não é retórica, filme ou ilusão, é mesmo verdade)

«e isso é transversal a todos os problemas?» retorqui eu ainda meio céptico

«experimente aplicar ao seu problema» lançou ele num ar sapiente que e irritou um bocadinho

lancei-me então no desafio, nessa noite apanhei uma valente bebedeira pelos queixos, que me criou um novo problema, esqueci-me onde tinha deixado o carro estacionado pois voltei para casa de transportes (acho eu) e andei uns dois dias à procura do dito entre três localidades, lá o encontrei todo cagado dos pombos e no fim, ficou tudo resolvido

:)

(não te vou dizer quem é essa pessoa que falou comigo porque, por um lado nunca irias acreditar, e por outro gosto de manter um certo suspense nas histórias que conto)

:)

não sei se toda esta conversa te ajuda ou ajudará em alguma ocasião da tua vida, mas que pelo menos te manteve ocupada durante um bocado isso é garantido

:)

a não ser que tenhas desistido a meio e passado directamente para o fim do comentário, aí, apanhas com aquilo que praticamente toda a gente já te disse

a vida é mesmo assim e coisital, a vida está cheia de problemas e temos que reagir, patatipatata

:|

beijoca

Patti said...

Entendo esse teu cansaço, porque todos, uma e outra vez também passamos por ele.

A mim angustia-me muito e por isso fujo logo dele logo na primeira oportunidade.
E ajuda muito aquela frase de 'um dia de cada vez'.

E saio, mas deixo uma luz de presença acesa.

Si said...

Ó Madrinha,
Então já viu que nem com o brilhozinho dos diamantes pode ficar, para se orientar com a luzita apagada??
E que ando eu aqui, sacrificadinha, a tentar pôr as contas do condomínio em dia, para depois ainda virem duvidar da minha, ou melhor, da NOSSA palavra??
Já viu isto??
O que vale é que vamos ter eleições em breve. A ver se a PresidentA começa a cumprir as promessas que fez.
O tal safarizito no Quénia, ou na Tanzânia, até dava jeito agora, para repousarmos deste cansaço, não era???
Beijinhos

eu, do alto do meu salto said...

Como eu subscrevo este post!!!
Será que lês estados de alma?? :)

Beijinhos e não "desapareças" por tanto tempo...

Pitanga Doce said...

Vou te responder por mail, mas olha...não apagues a luz!

boa tarde Blue

Si said...

Ai que eu agora já fiquei outra vez na dúvida!!
Querem ver??
Terá sido??
Não me digam.....
Realmente, uma inundação assim....
Mas não, tenho que ter certezas...

Se faz favor passa lá por casa para esclarecer uma questão que lá está sem resposta??

Justine said...

Isto não quer dizer que desistes, não é verdade? Porque não há outra maneira de viver senão fazendo opções - acho eu!
Portanto, não há escolha possivel, BV: tocÁviver:))

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Quando regressei a Lisboa e vi que as postagens estavam suspensas, pensei que tinha ido, como eu, fazer umas curtas férias. Infelizmente não foi assim. Comprendo os cansaços e as dúvidas ( quem não tem...) mas não gsto de desistências. Muito menos de andar a tactear no escuro. Esta luz é importante para continuar a seguir pelo caminho que escolher.

BC said...

Bluzita, hoje venho para te dizer que podes ir levantar um prémio aos SORRISOS
Beijo

ematejoca said...

Algumas pessoas procuram os prazeres; outras a poesia; eu procuro-te a ti, Blue Velvet. E
fiquei muito satisfeita em te encontrar hoje aqui para te dizer, que a luz fica acesa para sempre, minha amiga.

Se te apetecer, Blue, vai buscar
ao "ematejoca azul" um selinho "trés chic"!

Intruso said...

tens de esperar que a tempestade passe

Brown Eyes said...

Como eu te entendo...mas pensa assim, amanhã é outro dia, e talvez esse amanhã te reserve uma boa surpresa.

Boa sorte

BE

Homem de Ferro said...

Fantastico !
Simples e Belo !...
Como eu Te entendo !

Beijo e força !!!

b.vilão said...

A hora da vida já soltou uma gargalhada e saiu pela janela...
Lá diria o Cesariny. Além disso, afinal o que importa é não ter medo. Fechar os olhos frente ao precipício e cair verticalmente no vício.

Filoxera said...

Pelo contrário, deixo-te um beijo que espero te traga alguma luzinha, por pequena que seja...

Oliver Pickwick said...

Na Era Glacial era pior. E ainda assim, sobrevivemos. Este é um mundo onde os fracos não tem vez. Provavelmente já passou por outros momentos difíceis, portanto, tem a força. Por isso, não me preocupo, sei que superará qualquer fase.
Um beijo!