19 November 2009

O SALTO


Ela começa a olhar à sua volta e de repente vê o muro. Tão alto! Ficou completamente desnorteada:
- Meu Deus, como é que não o tinha visto até agora?
Logo ela, tão claustrofóbica, não se dera conta de que estava cercada. Muro sem janelas, paredes altas e uma estranha luz difusa que parecia mesmo a luz do sol. Mas não era. Aos poucos identifica também a fonte de luz e quão apertado era aquele espaço onde estava a viver há tanto tempo. Sem dar por isso.
Fechada naquele centro escuro de si mesma, onde se resguardava e se guardava. Uma película fina, mas quase intransponível, atava os seus braços e as suas pernas.
Viu a barreira fria que a protegia do mundo à sua volta.
Agora vê, sente e decide que está na hora de saltar o muro, de deixar que os cheiros todos se confundam e confundam os seus sentidos. Sentir com todo o corpo, reaprender a devorar a vida lá fora e trazê-la cá para dentro... Hesita. Afinal, estava tão confortável ali. Afinal, estava mesmo confortável e segura e tranquila.
E o medo, às vezes, é um bom conselheiro. (Recorda-se das palavras que sua mãe costumava dizer quando ela chegava a casa radiante: tenha cuidado, não mergulhe de cabeça nas coisas, um pé de cada vez).
Lembra-se também que continuou a mergulhar pela vida fora, e que só assim sabia viver. O excesso foi sempre a sua boa medida quando chegava a hora da entrega. Se é para mergulhar, entra de corpo e alma, dos pés à cabeça... Sabe que muitas vezes vir à tona pode ser difícil, mas nunca temeu afogar-se... Espreita devagar, pé ante pé... Mas no fundo sabe que o salto é inevitável.
Que venha!!!

13 nhận xét :

Sonia Schmorantz said...

Nós nunca enxergamos os muros que criamos em nossa volta, até um dia...daí é hora de tomar decisões!
beijos

de dentro pra fora.... said...

Força! o pior já passou, que venha a luz e com ela o calor de todos os sentires, estás pronta agora é sempre em frente.

Beijinho com sorriso e tudo :)

salvoconduto said...

Mai nada! Que uma mulher quer-se com génio!

Abreijos.

Si said...

Às vezes só é mesmo preciso o impulso. O resto também se faz devagar, um pé a seguir ao outro, com a firmeza de quem não vai voltar atrás.
Beijinhos

pedro oliveira said...

Já te estou a ver a tomar balanço e a saltar de forma que nunca o fizeste, o que procuras está mesmo ali.FORÇA!

Sunshine said...

Há alturas em que nos temos de fechar e de nos proteger, mas depois temos de voltar a VIVER.
beijinhos com raios de sol

Antonio saramago said...

Há um velhinho ditado que diz que a Mulher é muito mais forte que o Homem no que toca a tomar decisões e a desamarrar-se.
Tu serás uma dessas Mulheres!!

Tite said...

O difícil mesmo é decidir. Depois... vamos em frente!!!!!

Tudo de bom e congratulo-me pelo teu regresso.

Beijossssss

Patti said...

Muito bonita, real e sobretudo positiva esta tua delicada metáfora.

BC said...

Como sempre muito bem escrito este teu texto Blue.
Se é real salta em frente, e ultrapassa os muros por vezes temos que ter alguma coragem.
Beijinhos

Maria said...

Toda a minha vida saltei. Agora, neste preciso momento, não sei se o faria...

:)

Carlos Barbosa de Oliveira said...

E quem não salta, não é da malta! Força, amiga!

Filoxera said...

Faz-me lembrar um post meu que dizia que temos de reaprender a capacidade de voar
:-)
Beijos.