12 January 2009

BACK HOME



O meu mundo fica na casa com que sonhei.
"Faz lembrar a casa velha" disse a minha Mãe.
Faz lembrar a casa onde eu sonhava.
Nesse tempo sonhava sair da casa, sair do meu mundo.
Queria conhecer os mundos dos outros.
Quando saí perdi-me.
O mundo lá fora não era como eu o sonhava. Há tanta gente sem mundo...
Pobres aqueles que não têm um mundo seu e não sabem.
Quando saí percebi que tinha de voltar, mas tinha deixado de ter um sítio para onde voltar.
Quando passei a viver no mundo dos outros aprendi a dar valor ao meu mundo, aquele do qual tinha querido sair.
Via-o como uma prisão. Descobri que era um refúgio.
No meu mundo posso esconder-me do resto do mundo.
No meu mundo posso inventar o resto do mundo.
No meu mundo posso sonhar.
O meu mundo é como eu o sonhar.
Sou filha única, filha de filha única, neta de filha única.
Cresci no direito a ter um mundo só meu. Cresci no meu mundo.
Cresci no direito a que cada um tenha um mundo seu.
Gosto de passear pelo mundo dos outros. Gosto de o ver pela janela.
Gosto de partilhar o meu mundo com aqueles que também têm um mundo para partilhar.
Gosto de chegar ao fim do dia e fechar a porta atrás de mim.
Gosto de me aninhar meu mundo feito de paz, de silêncio e de sombras.
Voltei a ter um sítio para o meu mundo.
Vivo nele com uma filha única.
Voltei a dormir de manhã até tarde.

18 nhận xét :

salvoconduto said...

Fiquemos no nosso mundo mas sem nos transformar-mos no centro do mundo.

Abreijos.

Carminda Pinho said...

Não sei se a conclusão a que cheguei depois de te ler, será ela própria fruto do seguimento da tua fantasia.:)

Sou a 2ª de cinco irmãs,(não houve rapazes), mas habituei-me a construir um mundo só meu, também.
A nossa imaginação não tem limites, e apesar de não ser filha única, nem neta, nem bisneta...desde pequena me habituei a ter um "mundo" só pra mim. Para lá ir, e ficar sempre que tiver vontade...:)

Beijos, e não durmas até muito tarde.:)))

Antonio saramago said...

AINDA TEMOS ESSE PREVILÉGIO, o de ter-mos um mundo assim-assim...

C NARCISO said...

Não consigo comentar este post...
Só consigo dizer: ainda bem para si.

pedro oliveira said...

Todos temos o nosso,mundo, aquele em que nos refugiamos quando necessitamos de estar sós.

Patti said...

Muito intimista, genuíno e acima de tudo vivido na primeira pessoa.
Nunca me alongo e muitas vezes nem comento posts íntimos e reservados, mas mais uma vez parabéns Velvet.

Filoxera said...

A parte de que gosto é a de acordar tarde; nunca mais pude...
Quanto à de filha única, que na prática é o que fui, detesto. Tanto que jurei não ter um só filho. E cumpri. Contra tudo o que era racional...
Beijos.

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Embora goste muito do meu mundo, adoro passear pelo mundo dos outros.Gosto de saber como cada um constrói o seu mundo e, às vezes, colher alguns ensinamentos que são úteis para eu poder viver melhor no meu mundo. Mas, sempre, sem esquecer o mundo dos outros, ou pensar que " o meu" é o melhor dos mundos.
Conchinhas e beijinhos

Vekiki said...

Velvet, eu sou a 1ª de 3. Decidi ter Família grande. Porque gosto de confusão e barulho, de muita gente a falar, de muita gente à mesa! Mas, como tu, também tive um Mundo só meu e continuo a tê-lo. Acredito que cada um dos 4 cá de casa também tem um Mundo onde se recolhe quando a confusão do nosso Mundo os invade!
Beijos

Maria Clarinda said...

(...)Gosto de me aninhar meu mundo feito de paz, de silêncio e de sombras.
Voltei a ter um sítio para o meu mundo.
Vivo nele com uma filha única.
Voltei a dormir de manhã até tarde.

Lindo o teu poema...linda a música(viste o Austrália?)esta música está lá linda!
A foto linda também.
Jinhos mil

Si said...

Mais cedo ou mais tarde regressamos todos às origens. São as nossas raízes, as nossas memórias, os nossos primeiros mundos que nos ajudaram a enfrentar os mundos dos outros.
E quem o faz é porque vê nelas a segurança de ganhar forças para partir outra vez. Todos precisamos de um sítio assim, onde possamos, por algum tempo, gozar do sono tranquilo que já não temos desde crianças.
Beijinhos azuis

kakauzinha said...

Querida Bluezinha, como te entendo!

Temos o Mundo lá fora e o nosso mundo, o nosso castelo. Depois temos ainda o "mundo" dentro de nós, aquele que é secreto e do qual só revelamos o que queremos. Os nossos mundos inseridos no Mundo.

Beijinhos azulinhos e ensolarados do meu mundo para o teu:)****

1/4 de Fada said...

O que tu aqui contas é o que eu sinto quando estou em casa dos meus pais. Magníficos regressos às origens...

bARAUJO said...

cada um tem um mundo nas mãos e pode moldá-lo... até ao momento em que está a tentar moldar o mundo de alguém... aí termina a nossa liberdade!

só se esse alguém deixar entrar e partilhar o mundo... aí... são duas pessoas que partilham um mesmo mundo, com refúgios, castelos de areia, bolas de sabão e tudo o que o sonho permitir!

beijo terno!

f@ said...

O meu mundo(refúgio)são as nuvens...

beijinhos das nuvens

Miepeee said...

Todos temos o "nosso" mundo nem que seja por alguns momentos. Eu tenho uma concha onde gosto de me isolar de vez em quando para colocar as ideias em ordem.
Beijinho.

Pitanga Doce said...

Muito gira esta cobertura! Acendem-se as luzes às sextas?

Oliver Pickwick said...

De certo modo, desconfio que somos mais verdadeiros justamente nas fantasias.
Velvet, acredito que chega a hora de deixar para trás o ofício de poetisa bissexta e encarar de vez mais esta face do seu talento. Tem-se revelado muito boa na arte de escrever versos.
Um beijo!