5 January 2009

AN EYE FOR AN EYE...





Este vídeo veio-me parar às mãos sem que o procurasse, mas em minha opinião não poderia vir mais a propósito.
Não sou naive nem considero Obama o Messias que veio resolver todos os problemas do mundo, mas não entendo que se quisermos ser justos, possamos reclamar dele que resolva tudo. E tudo ao mesmo tempo. E sem lhe darmos tempo.
A verdade é que a poucos dias da tomada de posse, ainda nem assumiu o cargo e já há quem não acredite nele. Eu acredito. É difícil ouvir discursos como este e duvidar. É difícil ver os olhos e o sorriso dele e duvidar. Poderão até dizer-me que são discursos para eleições e que não têm nenhum valor. Como já escrevi não sou naive e sei alguma coisa de promessas eleitorais. Mas por que razão ele os fez e os outros não?
Nunca uma eleição, nem mesmo para a presidência dos Estados Unidos, levou atrás de si com este entusiasmo tanta gente em todo o mundo. E se é certo que se pode enganar muita gente durante muito tempo....o resto já sabem.
Não tenho dúvidas de que se houve um momento em que foi necessário um homem que faça a diferença, esse momento é agora.
E ele é o homem.
O Turning Point tem que se ser já e rápido.
De pouco serve a nossa indignação. É preciso que alguém com poder se indigne. É preciso que ele se indigne.
A questão é saber se os intervenientes de um dos conflitos mais mortíferos e mais longos da história entendem que tem que haver um Turning Point. E há coisas que é preciso lembrar e perceber que há várias peças neste puzzle que estão deslocadas. Se umas faltam, outras sobram.
Como pode algum povo no mundo ainda achar que pode exterminar outro? E como pode ser o povo que melhor conhece a palavra extermínio a esquecer isso?
Esta é seguramente uma das peças deste puzzle que não encaixa.
E se nos últimos anos tanto se tem falado de armas de destruição maciça que estavam tão escondidas, tão escondidas que nunca apareceram, aqui, neste puzzle, estão bem à mão.
Esta é outra peça que era bom ninguém esquecer.
Não adianta recuar até ao dia em que tudo começou. Seria impossível saber quem atirou a primeira pedra. Contabilizar quantos membros da família cada lado perdeu. Quem tem mais terroristas.
Se as forças estão desequilibradas a favor de Israel, a Al Fatah encarrega-se de as desequilibrar para o lado da Palestina. Nunca será possível chegar a um ponto de empate.
Israel tem o direito de viver em paz. A Palestina tem o direito de existir. Ambos os povos têm o direito de exigir parar de sofrer e de verem as suas crianças serem dizimadas.

Se assim não o entenderem, sejam lá os motivos que os movam, "An eye for an eye, and the whole world will be blind". (*)

(*) A frase é de Kahlil Gibran e aqui adaptei-a. A dele diz: " An eye for an eye, and the whole world would be blind"

25 nhận xét :

Tretoso Mor said...

Veludinho,

Concordo em absoluto com este teu magnífico texto, acompanhado por um não menos importante vídeo.

Não acredto que seja apenas este senhor a fazer algo para terminar com a chacina naquela zona do Mundo. O actual secretário Geral da ONU já deu um "murro na mesa" e disse que quem tem a responsabilidade da Defesa e d paz na oNU, está a Agir de Má-Fé. Mais, disse que há hipocrisia nas declarações e acordos estabelecidos.

Alguém vai cair da cadeira!...

Tretices azulinhas para ti.

salvoconduto said...

Quanto à primeira parte, embora não seja "crente" e não vá a Fátima, pago para ver. Espero que estejas certa.

Já quanto à segunda tenho abordado o assunto no meu blogue, continuarei e tenho a certeza de uma coisa, sei como reagiria se me espoliassem o meu país. Resta tão pouco da palestina. Há mapas por aí que mostram o que Israel usurpou.

Concordo em absoluto que é tempo de haver paz entre os dois povos. Se Israel a desejasse poderia começar por devolver as terras que não são suas.

Abreijos.

Vekiki said...

Eu também acredito no Homem!

nuvem said...

Não posso estar mais de acordo contigo.

Queria deixar-te um beijo muito grande e os meus desejos de um 2009 cheio de amor... :)

pedro oliveira said...

Concordo que necessitamos de um LÍDER que saiba dar sinais, também quero acreditar que seja OBAMA, a fasquia está alta.
Quanto ao assunto médio oriente, talvez fosse bom que a comunidade internacional,ONU, exigisse que Israel reconheça a Palestina como uma Nação e que devolvesse os territórios ocupados, fosse um bom principio para resolver a questão.

Po
vilaforte

Patti said...

Começando pelo vídeo, não podia concordar mais com o que Obama disse: estamos fartos que a fé seja desculpa e seja utilizada para se cometerem as maiores atrocidades. E isso passa-se no Médio Oriente com todos os povos árabes, inclusive com os países árabes ricos, que quanto sei, são ainda piores e mais radicais que outros mais pobres.

Infelizmente, a religião muçulmana vive na época medieval e muitas vezes pré-histórica, onde não existe qualquer tipo de liberdade de escolha.

Em Israel também há muitos judeus fanáticos, mas existe a liberdade de se escolher a maneira que cada um tem de viver a sua fé ou até viver sem ela; sem ser judeu e poder ser ateu, cristão ou muçulmano e nada lhe acontece.

Quanto à Palestina e ao seu povo, é completamente verdade que vivem em total angústia, sofrimento e morte e se Israel tem a sua quota parte de culpa os terroristas islâmicos que lá 'habitam' têm muito mais, pois são os seus ataques suicidas e demoníacos os principais responsáveis pela chacina do seu próprio povo!

As imagens de mortes de crianças, mulheres e homens que temos visto são horrendas e estupidamente lamentável a forma como civis inocentes acabam chacinados. O poderio militar israelita é imensurável e desproporcional em relação ao palestiniano, é um facto.
Mas eu queria ver o que faríamos se os nossos filhos estivessem a toda a hora, a todo o minuto a ser assassinados por terroristas bombistas, mártires de ALA, monstros facciosos, de cada vez que vão ao cinema, comer um gelado, passear num jardim, andar na rua às compras ou esperar o autocarro numa paragem?

Esta guerra é horrível, mas seria muito mais horrível se eu defendesse um só lado por ideologia política ou por fé.
Eu seria mentecapta, retrógrada, tacanha e ignorante.

É tão fácil condenar-se só os árabes ou só Israel!
Difícil é lá viver!

Si said...

Conheço os posts que o Salvo fez sobre este assunto e volto a repetir o que lá disse: Nunca haverá nenhuma justificação válida para uma guerra, nem de um lado nem do outro, nem mesmo com fundamentalismos como arma de arremesso, pois tudo se resume à sede pelo poder sobre qualquer coisa.
Curiosamente, este discurso de Obama reflecte exactamente aquilo que sinto, revelando uma sensatez que ninguém está habituado a ouvir.
Oxalá lhe dêem possibilidade de pôr em prática esta forma de estar, pois assim até eu aplaudiria a intervenção dos EUA nalguns países, como mediadores credíveis e apaziguadores de conflitos.
Mas se calhar já é pedir muito....

Antonio saramago said...

Venho desejar-te um grande ANO e que as tuas Américas se endireitem, já que o nosso pobre cantinho não há meio de ter remédio.

Leonor said...

Gostei imenso de ver o video e ler o post, Blue.

Também sou das que acredita em Obama, e, sobretudo, que as coisas têem de mudar. Nada como saber ver através dos próprios preconceitos, que todos temos, e alcançar um modo de vida em que nos seja possível partilhar pacificamente o quotidiano com as outras pessoas.

Quanto aop estado da questão israelo/àrabe, vai ser daqueles acontecimentos que só acreditaria que a paz fosse possível quando a visse, como São Tomé.

veludinhos, Boa Semana

vovó said...

Salvoconduto: é tudo isso...

beijocassss
vovó Maria

Maria said...

Não acredito que ele seja o homem. Até porque nestas coisas nunca há o homem: há situações e homens, vários e muitos.
Daqui a pouco há uma concentração no Largo de S. Domingos. É uma oportunidade para exigires na rua, para te ouvirem, o cessar fogo imediato na faixa de Gaza.
Viva a Palestina!

Um beijo

BlueVelvet said...

Tretoso,
também acredito que outros poderosos possam fazer alguma coisa.
Mas como só vejo os Estados Unidos a serem chamados à responsabilidade, tomara que o novo Presidente tome o assunto nas suas mãos.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Salvo,
como sabes leio com atenção tudo o que escreves.
Concordo que esse passo, da parte de Israel seria uma forma de mostrar que está a estender a mão.
Não é menos verdade que isso deixaria o país, geograficamente, mais vulnerável, e será que a Fatah não se aproveitava disso?
Meu amigo, quer-me parecer que isto é muito mais complicado do que podemos perceber.
Abreijinhos

BlueVelvet said...

Vekiki,
somos mais duas, entre milhões:)
Beijinhos

BlueVelvet said...

Nuvem,
o céu ficou muito mais azul depois da tua passagem por aqui.
Beijinhos e Bom Ano para ti também

BlueVelvet said...

Pedro,
mas será que a ONU ainda tem credibilidade?
Será que alguém ainda respeita as suas resoluções?
Lembras-te do Iraque?
Beijinhos

BlueVelvet said...

Patti,
li com atenção o que escreveste e concordo contigo.
Fácil é condenar.
Difícil é viver lá.

BlueVelvet said...

Si,
nem mais.
Será que estamos a sonhar alto demais?

BlueVelvet said...

António,
obrigada.
Também não vejo grandes saídas para aqui.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Leonor,
esse é um dos grandes problemas. É que eles ( quer Israel quer os Palestinianos) não nos dão grandes garantias de que queiram viver em paz.
Beijinhos

BlueVelvet said...

VóVó,
também concordo com algumas coisas que o Salvo diz.
Já vou falar contigo:)
Beijinhos

BlueVelvet said...

Maria,
sei que não acreditas nele.
Quanto à manifestação, não seria a 1ª vez que iria a uma. E até iria, não fosse o caso de ter visto ontem de madrugada um vídeo/ comunicado da Fatah. Isso retira-me qialquer esperança seja do que for.
Pior: faz-me sentir idiota, já que parece que me preocupo mais do que eles.
Se acham que é recrutando mais e mais bombistas-suicidas que vão resolver o conflito...Se treinam as suas crianças para isso...
Sei que não gostas do que digo, mas, se todos estão errados naquele conflito, e estão, os Palestinianos também não estão certos.
Beijinhos

BC said...

Eu penso o mesmo dele. Existem pessoas com um sorriso tão franco que penso que é impossível enganar alguém, a não ser que finjam muito bem e isso não acredito mesmo.
Beijo
Isabel

Violeta said...

O grande inimigo de Obama tem um nome "expectativas". OS que agor ao aclamam, à primeira falha (humana e realista) serão os primeiros a pedrejá-los - já ahistória assim reza a outros prepósitos...

Filoxera said...

Desculpa, com sono vou só ficar a ouvir a música coincidente...
;-))
Beijos!