1 November 2008

22 OLHARES SOBRE 12 PALAVRAS




A 23 de Março o Eremita lançou um Desafio a alguns bloggers que consistia em duas vezes por mês cada um dos aderentes compor um texto, prosa ou poema, utilizando 12 palavras escolhidas, incorporando-as adequadamente no seu texto.
As regras eram as seguintes:
- Os nomes serão ordenados por ordem alfabética e semanalmente pedirei, seguindo esta ordem, a três dos participantes que me indiquem três palavras cada um/a. Eu indicarei sempre as outras três que seguirão já no email;
-As palavras já utilizadas ficarão listadas e seguirão nos email’s em que se solicitam as 3 novas palavras;
PONTO ÚNICO - semanalmente um dos três convidados - seguindo sempre a ordem alfabética – receberá a informação de que, se o entender, poderá, ao escolher as suas 3 palavras recorrer a 2 palavras já utilizadas, nunca excedendo as duas palavra repetidas.
- As 9 palavras serão solicitadas respectivamente na 1ª e na 3ª terça-feira de cada mês;
- Serão devolvidas aos participantes na 1ª e 3ª quinta-feira de cada mês;
- Os participantes enviar-me-ão os textos – poesia ou prosa – até à 1ª e à 4ª quarta-feira de cada mês;
- A publicação/postagem dos textos recepcionados ocorrerá no 2º e no 4º sábado de cada mês.
Depois dos primeiros jogos, o jogo passou a ser mensal. Porque este desafio me apanhou em cheio numa mudança de vida profissional que me ocupou muito do meu tempo, só consegui participar nos 2 primeiros jogos.
Mesmo assim tiveram a gentileza de incluir numa das badanas do livro um excerto de um dos meus 2 textos, gentileza essa que agradeço sensibilizada.
Mas, os outros continuaram, e surgiu a ideia de publicar em livro os textos de todos os jogos.
Assim sendo, este post não tem outra finalidade que não seja divulgar um trabalho de muita qualidade, em que o espírito de equipa foi notável, e o próprio livro que merece uma leitura atenta.
O livro está pronto e vai ser apresentado no Porto a 22 de Novembro pelas 16H00, no Palacete dos Visconde de Balsemão e em Lisboa a 5 de Dezembro às 19H30 na Livraria Barata.
A TMARA fez inclusivé um blog só sobre o livro. Podem consultá-lo aqui .
Alguns dos participantes são visitas antigas do meu blog, outros não.
Todos escrevem fantasticamente.
Comprem o livro e verão.

Um dos dois textos com que colaborei foi este, sendo que as palavras a bold eram as obrigatórias:


Não me falem do Outono
e de suas folhas caídas.
Muito menos do Inverno
com frio, chuva,
vento e tempestade.
E mesmo a Prima Vera
é só isso.
Uma prima.
Tudo pela metade.

Sou de países quentes,
sou de paixões,
sou de sol e
sou de mar.
De noites abafadas
e céu estrelado.
E de azul.
Um azul imenso.

Sou de céu.
Sou de mar,
Sou de sol
E dos teus olhos
que me chamam
e me guiam,
e iluminam,
como um Farol.

Foi numa noite assim
que chegaste.
E vieste
de mansinho
e me tomaste,
e me amaste,
e aquele amor que vivemos,
avassalador,
nem o tempo,
nem o distanciamento
abrandaram dele
o calor
que a fusão
dos nossos corpos
provocou,
no comungar
do êxtase
apenas amortecido
no descanso
do amor vivido.

Sou de céu.
Sou de mar,
Sou de sol,
Sou de amor,
e o erodido tempo,
só fará aumentar
o seu calor.

Sou de céu.
Sou de mar,
Sou de sol,
Sou de amor.

37 nhận xét :

salvoconduto said...

Ora a aqui está um post que me veio lançar alguma confusão no que ao palacete dos Viscondes de Balsemão diz respeito, que até agora, como adoptado desta cidade desconhecia por esse nome e aqui ficam as razões: O suposto palacete situa-se na Praça Carlos Alberto (onde se situa não menos importante estabelecimento, onde corto cabelo há 39 anos. Isto não é dispiciêndo deixar passar em claro...). Voltemoa à vaca fria: A Praça de Carlos Alberto está ligada à figura do Rei do Piemonte e da Sardenha, que se exilou em Portugal após a derrota de Novara.
Chegado ao Porto em 1849, o monarca aloja-se na Hospedaria do Peixe. O proprietário, António Bernardo Peixe (que daria o nome ao edifício) transformou em hospedaria a casa do Visconde de Balsemão, a quem comprara o imóvel. Este é, posteriormente, adquirido pelo rico comerciante vindo do Brasil, José António de Sousa Basto, que recebe o título de Visconde da Trindade. E é com o nome do palacete do Visconde da Trindade que o palacete é conhecido por muitos dos portuense.

Portanto à cautela quem quiser ir ao palacete do viconde de Balsemão e o nao conheça, é melhor delocaren-se à Praços Carlos Alberto e é o edificio que fica em frente à Ordem Terceira do Carmo.

Já posso ir dormir descansado porque já fiz a minha boa acção de hoje...

Abreijo

Sorrisos em Alta said...

Ainda bem que não me convidaram!

Para além de correr o risco de piorar drasticamente a qualidade geral dos textos, acho que ainda hoje estaria a tentar perceber as regras e não teria escrito nada!
;o)

Ao menos a "profecia" que aqui fiz há uns meses, de que devias ter qualquer coisa publicada, começa a cumprir-se...
;o)

Beijinhos

Angel of Light said...

Olá bom dia minha querida!

Que linda poesia com que participaste no desafio do nosso querido Eremita.

Adorei esta passagem:

"Sou de céu,
Sou de mar,
Sou de sol,
Sou de amor.

Permite-me colocar a última palavra com letra maiúscula - Amor!

Sim, de facto, somos todos de Amor, feitos de um Amor que não anda de braço dado com dualidades. É, simplesmente É!

Obrigada pela tua visita. Ando mais ausente sim, não que me tenha acontecido alguma coisa. Nada disso! Os tempos assim o exigem e existem prioridades. Mas nunca me esqueço de ti e de todos os outros que me visitam... e dos que não me visitam. Estão todos no meu coração.

Beijinhos de Amor, Paz e Luz!

Justine said...

BlueVelvet, que pena não teres continuado! Pela tua qualidade, e porque é divertido!

E permite-me agradecer aqui ao Salvo pela excelente lição de história da cidade - agora já sei onde poderei cortar o meu cabelo no Porto...:))

O Sibarita said...

Oi moça! Falo da poesia viu? Que ta o ouro da babilônia, tá 10!

Ah a música do blog é demais!

bjs
O Sibarita

Si said...

Olha que se não fossem as indicações do Salvo, nunca mais lá chegaria...

De qualquer forma, fiquei curiosa sobre este livro e sobre o seu conteúdo, gerado pela imaginação profícua de netsurfistas.

Talvez seja um bom sinal de que ainda há muito boa gente que, em Portugal, consegue romper lobbies pseudo-intelectuais para publicar em papel o que no virtual lhes saiu...
Parabéns!

JC said...

Acho o poema uma linda mensagem de amor.
Beijinhos

Patti said...

E em boa hora foi lançado o desafio, espero que tenham o maior suceso com o livro.
E tu também devias continuar. Muito bonita forma de te desengoamres das palavras que te calharam.Tudo a ver contigo

f@ said...

Parabéns a todos pelos olhares e palavras, que no teu caso sortiram um efeito brilhante... pena a interrupção... vou lá espreitar o livro.
Beijinhos das nuvens

Filoxera said...

Que imaginação!
E a tua inspiração não fica atrás...
Beijos, amiga.

Tretoso Mor said...

Veludinho,

Fantástico!

Com aquelas palavras, para um gajo normal como eu, só por milagre sairia alguma coisa de jeito.

Tu fizeste Arte|

Já tenho reservado as 19:30h do dia 5 Dez, para ir à Livraria Barata, ao lançamento do livro.

1/4 de Fada said...

Fiquei encantada com a ideia que fez nascer este poema. Dele, poema, o que te posso dizer é que li-o ontem e não comentei por impossibilidade total. Recordou-me tanto, mas tanto, o motivo que me fez colocar a música de ontem no meu blog que não ia sair um comentário coerente. Foi uma pena só teres colaborado com dois textos e é uma pena que não nos mostres mais poemas teus... Simplesmente maravilhoso.

Antonio saramago said...

Há por aqui um bocado de Areia demais para a minha Camioneta!!!

Pitanga Doce said...

Então é assim: (isto é só pra te chatear).

Este poema não é só bonito: és tu. Inteirinha. Acho ótimo essas iniciativas de permitirem que outras pessoas leiam o que deixamos escondidos em blogs, que só quem tem Internet pode conhecer.

Mas tem o outro lado e tu sabes que sou mazinha, ou quem sabe "lourinha". Estas regras, eu as estou lendo até agora.

PONTO ÚNICO - semanalmente um dos três convidados - seguindo sempre a ordem alfabética – receberá a informação de que, se o entender, poderá, ao escolher as suas 3 palavras recorrer a 2 palavras já utilizadas, nunca excedendo as duas palavra repetidas.
- As 9 palavras serão solicitadas respectivamente na 1ª e na 3ª terça-feira de cada mês;
- Serão devolvidas aos participantes na 1ª e 3ª quinta-feira de cada mês;
- Os participantes enviar-me-ão os textos – poesia ou prosa – até à 1ª e à 4ª quarta-feira de cada mês;

- A publicação/postagem dos textos recepcionados ocorrerá no 2º e no 4º sábado de cada mês.


O mais curioso é toda esta profusão de números, datas e dias da semana, serem chamados de PONTO ÚNICO

Podem me cascar e dizerem; ó carago, mas como é burra esta mulher, mas eu não acredito que seja só eu a ficar em dúvida sobre tantas regras que parecem um enigma.

Se eu pudesse estaria no Porto no dia 22 de novembro pois acredito que haja mais amigos envolvidos neste projeto, mas não poderiam facilitar as coisas? Talvez mais pessoas gostassem de participar já que a querida Justine diz que é divertido e acho que também ela participou.

Pronto! Agora podem "descer a lenha"!!!!

beijos à Betty Boop Poeta!

Leonor said...

Adorei o poema, Blue!!

(o jogo é/foi muito interessante: vou estar atenta ao livro)

Beijinho

Antonio saramago said...

Advg, Escritora, Poetisa.
Acho ke isto chega para dizer que a minha camioneta é pequenina.
Então a Mª ESTÁ DE DIETA?
mulheres!!!!!!!
Falando agora um pouco mais a sério:
Vê se escreves algo que não tenha interesse, não és capaz?
Aprende comigo...
Bom Domingo minha Amiga...

Alexandre said...

Fantástico poema para uma colectânea que eu espero ver em breve com atenção!

Muitos parabéns!!! Muitos beijinhos e bom domingo!!!

Maria said...

Gostei muito do teu poema, Bluevelvet.
Curioso mesmo é como temos tanto em comum e outro tanto não comum...

Falem-me do Outono
e das árvores despidas
Falem-me do Inverno
e do vento e tempestades
porque sou de mar e sou de azul
e de amores que vêm de mansinho
e sou da terra, da noite e do luar
e de te saborear, devagarinho...

Um beijo azul, BV

BlueVelvet said...

Salvo, obrigada pela tua explicação.
Já nem é preciso GPS.
Abreijinhos

BlueVelvet said...

Sorrisos,
obrigada.
Vamos ver se é o princípio de alguma coisa.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Angel of light,
obrigada pela visita.
Fico contente por saber que estás bem.
Beijinhos para ti

BlueVelvet said...

Justine,
tenho muita pena também.
Mas na altura foi mesmo impossível.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Sibarita,
obrigada pela visita e pelas gentis palavras.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Si, é verdade.
Não houve lobby nenhum.
Só muito trabalho e dedicação.
Beijinhos de mim para SI

BlueVelvet said...

JC,
foi essa a intenção.
Terei conseguido?
Beijinhos

BlueVelvet said...

Patti,
dizes bem. Lá me desengomei, mas não foi fácil.
Eta, palavrinhas difíceis

BlueVelvet said...

Fa,
vai sim. Vais gostar.
Tem muito a ver contigo.
Beijinhos linda

BlueVelvet said...

Filoxera,
obrigada.
Beijinhos amiga

BlueVelvet said...

Tretoso,
só mesmo tu para chamares a isto Arte.
Mas fico babada.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

1/4 de Fada,
um dia tens que me contar essa história.
Beijinhos amiga

BlueVelvet said...

Ora António,
é só ler com os olhos do coração.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Pitanga,
ainda bem que o poema é a minha cara.
Quanto às regras, amiga, não és nada loira.
Não sabes, mas houve trocas de mails e mais mails até percebermos.
No final, até foi fácil.
Beijokas

BlueVelvet said...

Leonor, obrigada.
Acho que vai gostar.
Tem textos de grande qualidade.
Beijinhos

BlueVelvet said...

António,
deixa-te disso e escreve o que te apetece.
É para isso que servem os blogs.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Alexandre,
obrigada pelas tuas palavras.
Acho que vais gostar.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Maria,
obrigada pelo teu poema, que acredito te saiu de rajada.
Se fossemos iguais também não tinha graça nenhuma.
Beijinhos

Sónia Pessoa said...

Como participante no desafio, agradeço-te a divulgação e espero ver-vos no lançamento do livro. Beijinhos