3 November 2008

EXPOSIÇÃO




Sou assim, duas de mim,
às vezes três,
sou uma pra cada mês,
diversifico-me.
Vivo num eterno conflito,
ora mostro ao mundo a minha dor,
ora só sei falar de amor.

A mais romântica,
melodramática,
estática e nervosa,
carente e decadente,
vingativa e inconsequente.

Quando menos percebo,
transformo-me num ser cheio de medo,
no minuto seguinte,
no papel de mulher fatal,
sou a tal.

Então, sou dona do mundo,
segura e destemida,
rasgo os meus segredos,
os meus medos ao meio,
exponho-os.

Conto o que ninguém tem coragem de falar,
explico em detalhes o que nem é bom lembrar,
sou assim,
várias de mim,
sorriso por fora,
angústia a toda a hora,
por dento um tormento,
no rosto nenhum sofrimento,
no corpo, uma explosão de prazer,
nos olhos, o meu desejo deixo perceber!

18 nhận xét :

Maria said...

Não creio que sejas TÃO assim como dizes, mas...
... talvez sejas um pouco disso tudo, depende da hora do dia ou da situação em que te encontras, não sei...

Beijos azuis

Carminda Pinho said...

Os olhos, nunca enganam Blue...
Aqui, (na blogos) faltam os olhos.

Boa Semana.
Beijos

Tretoso Mor said...

Veludinho,

Um auto-retrato.

A capacidade de auto-domínio, adquire-se com a experiência.

O que se deixa transparecer de cada um, acontece apenas na medida da sua vontade.

Mas o olhar...
Esse, muito poucos o conseguem disfarçar.
Para mim, o olhar não é controlado por quem tem sentimentos.

Comigo, a TRETA está aí!
O meu olhar trai-me!

Tretices azulinhas para ti.

http://tretas-da-vida.blogs.sapo.pt/

Antonio saramago said...

E Como és Bela e Sedutora quando te expressas em AMOR!!!

Si said...

Alguém disse aqui que devia trazer mais vezes, para a frente do blog, essa faceta de escritos em forma de poema.
Concordo. Plenamente.
Beijinhos azuis

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Também sou um bocado assim, como descreve. Não sei se é bom ou mau, mas eu sou um bocado como os barómetros: o tempo influencia o meu humor. Por isso esta época do ano não me proporciona muitos sorrisos.
Conchinhas

f@ said...

Magnífica imagem… Uma para cada mês!...
Duas e três… num sentido de percorrer a sensação de cata-vento nas marés… qual horizonte distante de sentir alegrias e medos… explosão de emoções sempre a conquistar os dias… com sol que raia em manhã de névoa…
Beijinhos das nuvens

Pitanga Doce said...

"Rapte-me camaleoa
Adapte-me ao seu
Ne me quitte pas"

Caetano Veloso

samuel said...

Concordo com a Maria... mas se tudo isso ou pelo menos parte, contribuiu para este texto... abençoada!!!

Abreijos

Filoxera said...

Amiga: antes de chegar ao fim já estava a adivinhar que este poema era da tua autoria. Faltou-te acrescentar a parte poética de ti.
Parabéns, parece que vejo estas linhas numa canção.´
Lindo!

Patti said...

Bonita forma de mostrares todos os teus eu e acredito que ainda tenhas muitos mais.
Todos temos. Mas nem todos o sabem escrever assim, como fizeste.

As Chamas do Fénix said...

E todos somos um pouco como tu... acredita.

Uma grnade chama para ti...beijos

1/4 de Fada said...

Amiga, quem escreve poesia assim devia, obrigatoriamente, partilhá-las muito mais vezes connosco. Dizer mais é uma redundância.

Mar Arável said...

Água de beber

que só habita nos cristais

Pitanga Doce said...

Se quiseres já podes ver as respostas.

beijinhos

mfc said...

Somos sempre donos... pelo menos do nosso pequeno mundo!

Pedro Branco said...

Sento-me por vezes e assisto à minha história. Um dia serei protagonista; outro espectador... É uma maré tão intensa que as tempestades nem sempre renovam as lágrimas. A história de estar vivo pode ser a mais bela!

Paula Crespo said...

Ou seja, uma mulher por inteiro. Pessoa.
Bjs