16 February 2009

( 7 ) NOVA IORQUE, MEU AMOR


Eu e os génios temos uma entente cordiale:
às vezes zango-me com eles e cortamos relações. É excelente porque eles nem sabem que eu existo e portanto isso não os incomoda, e eu posso ignorá-los à vontade.
Ás vezes, depois fazemos as pazes. Nem sempre.
Agora estou um bocadinho amuada com Woody Allen. Mas só um bocadinho. Porque a verdade é que o homenzinho pequenino, com um ar insignificante, inseguro, hipocondríaco, neurótico que veste a pele de anti-herói e de mal-amado pelas mulheres, tem duas coisas, entre outras, que me fazem estar de bem com ele.
Uma é o facto de ele gostar de nós, mulheres, como poucos cineastas.
A outra é o seu amor por Nova Iorque.
Se um turista quiser perceber porquê que há pessoas que têm paixão por Nova Iorque não pode ver só a Estátua da Liberdade ou o Empire State Buildinig, além dos outros locais de visita obrigatória.
Isso, provavelmente dar-lhe-á a imagem da cidade que fascina mas que assusta pela sua grandeza e onde “ nunca poderia viver”.
Mas se fizer o percurso da Nova Iorque que Woody Allen nos mostra nos seus filmes, aí sim, aperceber-se-á da alma da Big Apple..
A Nova Iorque dele é a verdadeira.
Das esquinas especiais, dos museus, dos “Delis”, das árvores de Manhatten.
Se quiserem acompanhar-me num tour pelos mais memoráveis locais de filmagens dos seus filmes, podemos começar por aquele que é considerado a sua obra-prima: Annie Hall.
Para além de ter lançado a moda das mulheres começarem a usar gravatas de homem sobre camisas compridas, blazers e chapéus, entre as cenas mais memoráveis incluem-se as filmadas no Beekman Theatre e no Thalia Cinema .
Manhattan continua a ser o favorito dos aficcionados de Woody Allen. Filmado a preto e branco e com música de Gershwin, mostra-nos a John’s Pizzeria (278 Bleecker Street em Greenwich Village), um clássico dos restaurantes da cidade, o Elaine’s, (1703 Second Avenue entre East 88th e East 89th Street) e aquela que é considerada a cena mais famosa do filme, quando Woody e Diane Keatons se sentam num banco em Riverview Terrace em Sutton Square, mesmo por baixo da 59th Street Bridge no east side de Manhattan, para verem o nascer do sol..
Não é fácil explicar o que é um Deli. É um restaurante, normalmente grande, que está aberto 24 horas por dia, onde se pode comer ou levar comida pronta para casa, a preços muito razoáveis.
Em Broadway Danny Rose aparece aquele que é seguramente um dos mais famosos de Nova Iorque, o Carnegie Deli situado no 854 da 7ª Avenida. Woody frequenta-o desde sempre e fez questão de o colocar neste filme.
The Pomander walk e o Central Bar aparecem em Hannah and Her Sisters, o De Lucca Café em Husbands and Wives.
E por aí podíamos continuar.
Mas o melhor fica para o fim.
E o melhor acontece às 2ªs feiras no bar do Hotel Carlyle. É lá que há anos, Woody Allen toca com uma banda de amigos, a New Orleans Jazz Band.
É uma hora e meia mágica, em que ele percorre os temas musicais dos seus filmes, ao sabor do tradicional jazz do French Quarter de New Orleans.
É sem dúvida um privilégio dos nova-iorquinos poderem assitir a espectáculos destes ao preço de uma bebida ou de um jantar.
O que me faz rir com risinho de bruxa malvada quando penso no ridículo de pagar 5oo euros para o ver tocar num reveillon no Casino do Estoril.
É o que se chama o homem errado, no local errado para o público errado.

30 nhận xét :

ematejoca said...

Meu querido Veludinho!
Muitíssimo obrigada por este texto, que entrou direitinho no meu coração .

Quando o Woody Allen tocou no Casino do Estoril, eu estava em Portugal.
A minha família perguntou - sabem o meu fraquinho pelo homem pequenino - se queria ir ao Estoril, seria a minha prenda de Natal. Eu respondi, com outras palavras, mas com o mesmo sentido:
"o homem errado, no local errado para o público errado". E fiquei no Porto!

Agora vou dormir, mas volto aqui outra vez...

salvoconduto said...

Só se me apontassem uma pistola é que dava 500 aéreos para o ver no Casino do Estoril, ainda por cima num reveillon!

Abreijos

BlueVelvet said...

Querida Teresa,
sabia que ias adorar este post:)
Beijokas e boa semana

BlueVelvet said...

Salvo,
nem eu esperava outra coisa de ti:)
Abreijinhos

Maria said...

Faço minhas as palavras do Salvo e assim escusas de responder, LOL
Beijo azul

C NARCISO said...

Continuo a dizer: mude-se para NY.

Miepeee said...

Estas sempre a falar de NY um destes dias perco a cabeca e ai vou eu...mas tera de ser em 2010, este ano ja tenho outros planos para mais proximo :)
Beijinho.

pedro oliveira said...

a tua última frase diz tudo.
boa semana.

Patti said...

Eu não dispenso de ver os filmes dele, fale mal a crítica ou não. São sempre curiosos, diferentes, inovadores em alguma coisa, etc.

Agora vê-lo tocar... não tenho qualquer interesse, nem de borla.

Justine said...

Embora este roteiro não me seja desconhecido porque filme do Woody Allen não perco,agradeço-te a sugestão deste percurso pois estou a pensar ir a NY ainda este ano:))

vovó said...

Woody Allen, um dos meus eleitos.

quanto ao resto, estou com o Salvo, com a Ematoja, com a Maria...

o texto, uma delícia !
beijocasssss

sagitario said...

olá velvet,
lindo texto o seu e demonstra que há muito potencial em si para explorar.
Conselho é de graça, mas mesmo assim eu vou dar o meu.
Nesta altura da sua vida em que está na idade de ouro, se estivesse no seu lugar mudava-me para Nova Iorque e tornava-me escritora a sério, penso que iria virar outra mulher feliz e realizada, na vida é preciso ousadia e falo por experiência própria, embora com sonhos mais modestos, mas ousei e valeu a pena.
um abraço de amizade

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Partilho da mesma opinião quanto a ir ver o Woody ao Casino do Estoril.
agora, só gostava de saber a razão que a leva a andar chateada com Woody Allen... Será pelo facto de os seus últimos filmes serem rodados na Europa?
Conchinhas

Gata2000 said...

Eu tb não dava os 500 euros pelo concerto, mas o que eu dava por uma viagem a NY....LOL Beijocas!

BlueVelvet said...

Maria,
então está respondido:)
Bjs

BlueVelvet said...

C NARCISO,
as coisas não são assim tão fáceis.

BlueVelvet said...

Miepeee,
vai sim.
Eu faço-te o roteiro.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Pedro,
ainda bem que concordas.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Patti,
talvez gostasses.
Bjs

BlueVelvet said...

Justine
que sorte. Se quiseres dou-te umas dicas.
Beijinhos

BlueVelvet said...

VóVó,
bora lá?
Beijinhos

BlueVelvet said...

Sagitário,
agradeço as suas palavras, mas não tenho talento para ser uma escritora, menos ainda em Nova Iorque.
Talvez pense nisso quando estiver na idade de ouro, seja lá o que isso for.
Bjs

BlueVelvet said...

Carlos,
acertou na mouche:)
Veludinhos

BlueVelvet said...

Gata 2000,
quem sabe qualquer dia vais:)
Beijokas

1/4 de Fada said...

Eu comecei por adorar os filmes do Woody Allen, depois fartei-me um pouco por achar que batiam sempre na mesma tecla, apesar de não perder nenhum e nos últimos anos reconciliei-me com ele, gosto imenso dos filmes europeus dele. Já vê-lo em pessoa não é uma ideia que me atraia lá muito... nem de graça, quanto mais por uma pequena fortuna!

f@ said...

Post mto feliz... principalmente o final...

Beijinhos das nuvens

Sofá Amarelo said...

Começo a sentir uma espécie de chamamento from New York, a cidade onde tudo acontece, a cidade que vale a pena... quero ir... já está agendado... só não sei quando...

Pena said...

Simpática Amiga:
Também não me dou muito bem com génios seja do que for que sejam.
Creio que vi todos os filmes do Woody Allen, sim, vi.
Como homem pode ser controverso, semi-louco na sua normalidade. Ter um estilo muito peculiar, extravagante, pouco habitual, mas que é um génio cinematográfico, é.
Concordo totalmente consigo,"... é o que se chama o homem errado, no local errado para o público errado..."
A sua adoração por New York, por locais peculiares, por sítios impensados é uma verdade só dele.
Fascina, na tela ou fora dela, com a criação de momentos, instantes mágicos de beleza e na criação de guiões que concebe com fantasia, pertinência e importância significativas.
Creio, que é um génio, como sente, age e vive.
OBRIGADO por nos conceder o seu poder genial, amiguinha. Há imenso tempo que não ouvia falar dele.
Beijinhos amigos pelo instante que narra com beleza e talento.
Com cordialidade, respeito e admiração

pena

OBRIGADO pela simpatia expressa no meu blog. Adorei!
Bem-Haja!

AnaMar (pseudónimo) said...

Excelente texto! Quase me fez simpatizar com o homem que me faz alergia (apreciando-o no entanto comocineasta e artista)...
Bj

Filoxera said...

O público errado só paga porque quer...
beijos, amiga.