17 October 2007

SUNNY VILLAGE


A China com as suas tradições milenares, com o tipo de alimentação, as medicinas alternativas é uma coisa maravilhosa, que me atrai e me encanta.
Mas o reverso da medalha é medonho, assustador, revoltante e desumano.
Os Maos, a sua perversa mulher, Tiannamen, os “ fatos de marujo”, as famílias que matam os bebés do sexo feminino, as permanentes violações dos Direitos Humanos, a pena de morte, tudo isto e aquilo que não sabemos, é um horror que pode não se passar debaixo dos nossos olhos, mas que se passa no nosso Mundo.
Fernando Pessoa escreveu que “aquilo que não se passa na nossa rua não nos interessa“.
Mas devia!
Todos os anos são executados na China cerca de 7500 criminosos.
Não vou aqui e agora, discorrer sobre a bondade da pena de morte.
O que me interessa, e felizmente interessou a mais alguém é o que sucede aos seus filhos.
Na China, pelo menos um milhão de crianças vivem abandonadas, desprezadas e ignoradas, tornando-se verdadeiros párias, porque são filhos de pais que perderam a vida depois de passarem pelo corredor da morte.
Mas porque hão-de os filhos pagar pelos erros dos pais, alguém se interrogou e se incomodou com isso.
No tempo dos Imperadores, os filhos dos criminosos eram mortos com eles. Assim, cortava-se o mal pela raiz!
No tempo de Mao eram presos, porque segundo as suas próprias palavras “ O filho de um herói, é um herói. O filho de um canalha, é um canalha!. Ou, como diz um ditado chinês: uma gata nunca terá cachorros!Pois bem, há uma mãe solteira, uma mulher admirável e digna de todo o nosso respeito e ajuda, que resolveu mudar isto.
Decidiu em Dezembro de 2002, criar um orfanato a que chamou Beijing Sunny Village. Sem qualquer ajuda governamental, depende exclusivamente de donativos.
Em Abril de 2002 alugou 17 hectares de uma quinta onde foram plantados amendoins, milho, soja e outros vegetais e leguminosas.
Ela quer que os donativos sejam empregues na educação das crianças. As mais velhas, nas férias ajudam no campo.
Em noites escolhidas, chamadas “ de gala” as crianças actuam, com peças de teatro ou outros espectáculos criados por elas.
- Tudo o que quero é que se sintam amadas, e que aprendam a distinguir o bem do mal, diz ela com extrema simplicidade.
Em 5 anos conseguiu construir 10 edifícios pintados de cores vivas onde vivem 131 crianças, divididas em grupos de 12.
Cada grupo tem uma mãe que olha por elas, uma cama, um armário, 3 refeições por dia, 2,5dl de leite, comem fruta 2 vezes por semana e carne 2 vezes por mês, aulas na escola, orientação, valores e sobretudo Amor.
As crianças levantam-se todos os dias às 05.30 da manhã e depois de arrumar as suas camas, tomam o pequeno almoço e vão para a escola. Vão para a cama às 09.30.
A Aldeia do Sol tem a sua própria livraria, uma sala de computadores e um ginásio.
Os dormitórios chamam-se Love Cabins.
Guardei para o fim o nome desta mulher, a quem as crianças chamam Nai Nai ou Po Po, para que todos guardemos bem o seu nome, por muito difícil que pareça: Zhang Shuqin.
Quando penso que sou boazinha e depois descubro estas histórias, sinto-me um pigmeu.
Se todos nós contribuirmos com 5 ou 10 Euros por mês para esta Mãe Coragem,não ficaremos mais pobres, e para estas crianças, decerto fará toda a diferença.
Para quem quiser, aqui ficam os contactos:
Beijing Sun Village Children’s
Education Consultancy
Account number: 80 711 504 900 809 1001
Swift Code.BKCHCNBJ110
Bank of China, Beijing
Shunyi Sub Branch Mapo
District Office
Morada: nº11 Xiangyang
West Street Mapo District
Shunyi,
Pequim
China
Website:http://www.chinatoday.com.cn
E-mail: chinatoday@chinatoday.com.cn

5 nhận xét :

Sol da meia noite said...

Obrigada pelo que dás a conhecer aqui. Tocou-me.
Em geral, há em nós um certo egoísmo que nos leva a ignorar situações destas... talvez porque vivemos de modo diferente.
No fundo, temos medo do choque que em nós provocam, digo eu.

*

PoesiaMGD said...

Um texto que desperta consciências! Não gostarias de o publicar em EscritArtes.com? Eu gostaria de contar com ele lá!
Um abraço

Blue Velvet said...

Para poesiamgd,
muito obrigada pelo convite.
Tenho todo o gosto.
É só explicar-me como.
Um abraço

Jasmim said...

Obrigada pela partilha: o bom eo mau.

Alexandre said...

Estive a falar com uma amiga minha que foi à China recentemente e ela diz que o que mais a impressionou em Pequim foram as «ruas» com 100 km de extensão e 4 vias para cada lado e a diferença de «vidas»: coexistem aqueles que ainda vestem à Mao e os outros senhores de carros mais que topo de gama,os que passam horas e horas na bicha do McDonalds e que idolatram tudo o que é ocidental.

País de contrastes, gigante adormecido que desperta agora para espalhar os seus tentáculos por todo o mundo, especialmente Angola, onde quase metade da população já é chinesa - ainda bem para os angolanos pois os chineses representam trabalho e organização!

Muitos beijinhos!!!