8 October 2007

EU NÃO SOU EU. SOMOS DUAS


Há uma outra escondida, cá dentro, que escondo do mundo e dos dias monótonos e arrastados de uma mulher bem comportada..
Ela aparece, a uma hora qualquer, quando estou finalmente adormecida, embrulhada, nua , nas folhas brancas dos lençóis.
Sei que a outra aparece quando as pálpebras abraçam os olhos da escuridão do quarto.
Sei que qualquer coisa remexe dentro de mim, enquanto procuro com o pé, o frio do fim do lençol.
Qualquer coisa que eu não controlo, qualquer coisa que eu desconheço em mim. E conheço tão bem.
Quando escondo a mão esquerda debaixo da fronha e procuro o folho da segunda almofada.
Quando a realidade do meu mundo adormece na paz da noite.
E desaparece.
E fica uma mulher de quarenta anos, nua, inocente, enrolada em posição fetal, como uma vírgula perdida num lençol A4. Eu e esta cama enorme.
E sonho.
Consigo.
Falo que me farto, rio, liberto os sonhos e desejos que não lhe conto.
As frustrações, os medos, as humilhações, que não lhe conto.
Sonho com uma vida que nunca vou ter consigo, com histórias que só poderiam ser contadas em pequenos livros que se escondem atrás dos grandes. Livros.
Beijo e abraço como nunca irei beijá-lo.
Tenho diálogos que nunca terei, consigo.
Sonho com viagens que nunca farei, consigo.
Faço amor como nunca fiz, consigo.
Sinto as suas mãos percorrendo o meu corpo, a sua língua deslizando por montes que se abrem enquanto murmura conversinhas ao meu ouvido.
Passo as mãos no seu cabelo, aninho a cabeça no seu ombro e sinto o cheiro das suas boquilhas café crème, antes de partirmos à desfilada por searas ondulantes de prazer.
Acordo molhada de prazer.
Ou serão lágrimas?

4 nhận xét :

Alexandre said...

Quem será a original e quem será a cópia? Parece que uma e outra complementam-se, as duas personalidades parecem-me essenciais para que uma se sobreponha mais que a outra - ou pelo menos assim pareça! Qual será a real? Ou será que há alguma real ou neste mundo tudo são fantasias?

Muitos beijinhos!!!

Sol da meia noite said...

Há um lugar em nós, só nosso...
Lá não entra ninguém... ou só quem nós queremos...
Refúgio de fantasias... lugar de lágrimas...

*

a.filoxera said...

Não me parece que haja original e cópia. Há, às vezes, o que é público e o que é íntimo.
E há, sempre, espaço para o sonho, para a fantasia.

U Ó Mãe Que Dava Pulos said...

Interessante a ideia que aqui expões: afinalk a dialéctica também existe dentro de nós... e ainda bem(digo eu)
Um beijo