21 October 2008

VALORES DE HOJE

Eu podia escrever um excelente texto ( ou pelo menos tentar) sobre o facto de, hoje em dia, se ensinar às crianças desde a mais tenra idade, tudo aquilo que é a antítese do que me ensinaram a mim e de lhes mostrar quais os valores que regem a sociedade, insurgindo-me contra isso.
A primeira coisa, seria explicar que não devemos olhar só para o nosso próprio umbigo e que não devemos passar por cima de tudo e de todos, para vencer.
Os escrúpulos e o respeito pelo próximo ficam onde?
Poderia discorrer sobre o que é ter ideais, sobre o que é a moral e que a honestidade é algo que deve ser a base da formação do nosso carácter.
Deveria chamar a atenção para o facto de haver máquinas que nos facilitaram a vida, mas que não podem ser substitutos daquilo que é a verdadeira cultura.
A televisão não substitui a leitura e o computador não pode nem deve pensar por nós.
O carro é indispensável para nos deslocarmos mas o exercício físico é um dos pilares da nossa saúde e um investimento na qualidade de vida que teremos quando formos idosos.
Escreveria que pode acreditar-se em Deus ou não, que há várias religiões e que todas devem ser respeitadas se bem utilizadas, mas que o dinheiro não é o mais importante na vida e que não pode nem deve ser adorado, tornando-nos escravos do mesmo.
Mas mais importante que tudo, porque sou uma mulher de afectos, que o telemóvel é óptimo para dar recados ou resolver negócios, mas não substitui a visita aos avós aos pais e aos amigos, que um beijo ou um abraço só se sente quando é dado e não enviado por sms.
Eu podia tentar fazer isso, mas acredito que uma imagem, por vezes, vale mais que mil palavras, e que há quem o faça melhor que eu.
Por isso, deixo-vos o Quino.
Enjoy!



26 nhận xét :

Patti said...

Tens toda a razão Velvet. Mas infelizmente este é o espelho dos educadores de hoje.

Não há tempo para nada e quando há é usado em proveito próprio ou para ‘deseducações’ deste género. Nos afectos então a situação é mesmo de bradar aos céus. É como já disse, educar, dá muito trabalho, sacrifício e tempo. Decididamente não é para todos.

salvoconduto said...

É como dizes. Pena hoje serem formatados à nascença!

Abreijo

mfc said...

Asino por baixo, com uma pequena ressalva.
Onde falas de moral, valorizaria a ética!
A moral é local, não universal.

Maria said...

..."Escreveria que pode acreditar-se em Deus ou não, que há várias religiões e que todas devem ser respeitadas se bem utilizadas"...
Não digas que estou a embirrar contigo, mas podias explicar-me, como se eu tivesse 7 anos, o que é uma religião "bem utilizada"?
Ou respeitamos TODAS as religiões, sem SEs, não não respeitamos.
E falo só deste bocado. Podia ir buscar outros, mas depois ainda me dás com um carolo...

Os putos nascem formatados hoje? Pois nascem. Mas a culpa é nossa...

Beijos azuis

BlueVelvet said...

Patti,
é verdade, dá trabalho, mas tanto trabalho dá incutir bons como maus valores.
O problema é que parece que os nossos já caíram em desuso.

BlueVelvet said...

Salvoconduto,
mal-formatados...
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

MFC,
és capaz de ter razão.
Dependendo da Cultura, aquilo que é moral para nós pode ser imoral para outros.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Maria do meu coração, e eu era lá capaz de uma coisa dessas. Um carolo??? LOL
Tu queres é puxar-me pela língua, que eu já te conheço, mas faço-te a vontade embora sabendo que tu sabes que eu sei que sabes o que te vou responder:)))
Miguinha, não é em nome da religião que os terroristas fazem atentados?
Não foi em nome da religião que houve uma coisa chamada Inquisição?
Queres mais exemplos ou está bem assim?
Beijinhos e volta sempre rsrsrs

Carminda Pinho said...

Blue,
a caricatura está excelente.
Não concordo com a formatação em geral.
Ainda existe muito boa gente, que ensina às suas crianças, os mesmo valores que recebeu, e ainda consegue acrescentar mais alguns.
Não tomemos a árvore pela floresta...

Beijos

Antonio saramago said...

O Pior de tudo é que já alguém pensa ou tenta fazer crer que o ser humano tem de se transformar em máquina.
Mal de quem não acredita em Deus, mesmo que se seja ATEU, se deve ser um puco crente.
Dinheiro não é tudo, deiz-se que não é felicidade, o certo é que sem ele não se passa.
Casa onde não há pão, todos ralham sem razão e sem o maldito dinheiro morre-se á fome.
Quantas pessoas com menos de trinta anos sabem fazer contas pelas proprias cabeças?
Nem sequer sabem o que é uma parcela, quanto mais 5x6 sem a maldita calculadora.
MAS ENFIM!!!!
Dou-te nota 100 por este artigo.

Justine said...

É verdade que os desenhos do Quino são um retrato cruel e verdadeiro da sociedade actual, mas as tuas palavras claras e certeiras não são de todo dispensáveis, antes sublinham tudo aquilo contra que devemos lutar e o que devemos valorizar.Sempre e sem desfalecimentos.
Abraço

sagitario said...

Velvet,
aqui estão as regras para se ser feliz e é tão simples, pois quando estamos bem connosco próprios, já temos disponibilidade para os outros.
È certo que vivemos numa sociedade de consumismo e sem valores morais, mas o mundo sempre foi assim e ninguem é perfeito, por isso a tirar da vida o melhor que sabemos e pudemos.
um lindo dia para todos

Filoxera said...

Adoro o Quino!
Boa escolha,amiga.
Beijos.

Tretoso Mor said...

Veludinho,

Pois é!...

Este é o retrato dos novos processos educacionais.

Acrescentaria só dois slides, se pudesse. Esses slides mostrando a criança a crescer, em duas etapas distintas, apresentando o último, a criança sózinha, fazendo o mesmo que o pai lhe ensinara anos atrás.

tretices desconsoladas para ti.

http://tretas-da-vida.blogs.sapo.pt/

1/4 de Fada said...

Para meditar e de que maneira! Eu, que sou má como as cobras mas mostro pouco esta minha faceta oculta, diria mais, muita gente deveria meditar e bem nestes cartoons. Ando numa de Hamlet no seu pior: "Ser ou não ser bruxa, eis a questão." Mais, vou ver se ponho um daqueles questionários todos giros no meu blog para resolver uma dúvida existencial que ultimamente me assombra e para a qual talvez precise de ajuda externa que é se devo ou não mudar o nome do blog para "Um Quarto de Bruxas". Já viste o dinheiro que poupo em psiquiatra e psicoterapia, para além de tornar o blog muito mais animado, assim com novas tecnologias, tipo aulas interactivas!!!

Sunshine said...

Educar é uma tarefa muito complicada. Acredito que mais do que as palavras faz falta o exemplo e acima de tudo a presença dos pais. Aflige-me ver o desconhecimento que alguns dos pais dos meus alunos têm em relação à vida dos filhos e aos seus problemas...às vezes penso que este desconhecimento só é possível por eles optarem por ignorar que certas coisas acontecem.
Beijinhos com raios de sol

f@ said...

Brilhante esta reflexão… e um excelente texto… Imagens mto interventivas e plena harmonia.
Os valores…dependem mto do critério usado e da "dimensão" da pessoa, são “adquiridos” e dão significado às nossas acções… aos gestos … e deles depende tb o nosso bem estar ...
Há os éticos, os estéticos, os religiosos, os políticos… todos eles vitais para uma vida em sociedade justa e serena…
(Difícil mto dificíl ... a pensar na crise...- a brincar...)

Beijinhos das nuvens

Si said...

Ai, Velvet,
No que foi falar, e que imagens tão acutilantes e certeiras!!
A educação dos nossos filhos é um tema que me faz sair do sério, pela displicência que abunda e que se torna já cultura!!!
Já tinha agendado escrever um pouco sobre isso, porque a minha maneira de ver as coisas é tão diferente da da maioria que muitas vezes cheguei a pensar ser eu que estava lélé da cuca!
São todos estes valores, estes princípios, estas absolutas necessidades de moldar a personalidade dos jovens e não que ela se molde por si, de colocar barreiras, tudo, tudo, me faz muita confusão na maneira de educar os nossos filhos!
E não são eles que têm a culpa. Somos nós, pais.

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Tentar educar os filhos com base nos valores em que fomos educados, pode ser tão errado quanto educá-los com base na rejeição desses valores - o mais comum hoje em dia.
Sei que escrevo um bocado ex-cathedra, porque não tenho essa experiência, mas parece-me que os principais culpados no meio disto tudo são quase sempre os pais.
Vou fugir, antes que leve com uma catrefada de ovos podres e tomates.
Conchinhas

Pitanga Doce said...

"A televisão não substitui a leitura e o computador não pode nem deve pensar por nós."

Quantos pais hoje, em dia, dão de presente, ao filho, um livro? Um simples livro colorido que ele possa levar para qualquer lado que vá, sem precisar de tomadas ou baterias?

Sandra Daniela said...

O Sr. Quino sabe muito bem expressar! con cordo com ele... e contigo!!!

Coincidência... ainda hoje estava a falar com um grupo de alunos e falavamos vemos, sobre as escalas de valor...Um dia ainda faço um post sobre esta conversa...

Os prémios...trá-los todinnnnnhhhhhoosss contigo!! Com beijinhos grandes!!!

Leonor said...

uma caricatura infelizmente demasiado próxima da realidade. Na verdade, quantas questões não se poderiam resolver se houvesse um pouco mais de investimento na educação e formação?
mas quando o mundo em que vivemos tem os seus valores completamente ao contrário... será que a presente crise servirá para uma reflexão a esse nível ou tudo passa??

BC said...

A TECNOLOGIA AVANÇOU DE FACTO.
MAS OS AFECTOS CONTINUAM....
SÃO IMPRESCINDÍVEIS, o contacto fisíco é muito importante e eu continuo a apostar sempre nisso, familia, amigos.
Somos seres humanos, não máquinas,
temos sentimentos, vivemos, amamos
rimos choramos!!!
Bjs

Maria Clarinda said...

Já não sei quem me mandou isto num mail .... comungo com as tuas palvras!
Jinhos mil

White_Fox said...

Lá está! De pequenino se torce o pepino!
bj

Oliver Pickwick said...

Muito bom, Velvet. Também sou da escola antiga: ou estuda, ou leva pau. ;)
Um beijo!