6 March 2008

NÃO VEJAM ESTE VÍDEO


NÃO É BRINCADEIRA!
A menos que tenham a certeza que são capazes de ver imagens de uma crueldade que supera a inteligência de qualquer ser humano, NÃO VEJAM ESTE VÍDEO.
Há dias, no blog da Macaw, em http://thisplanetsays.blogspot.com/, o último post provocou a discussão de se saber se coisas que ultrapassam a nossa compreensão, nossa -supostamente, seres pensantes, podem ser aceites, em nome de tradições, religião, costumes, etc, etc, etc


Não sou racista nem preconceituosa e pouco fundamentalista.
Aliás, salvo raras excepções, não sou " ista " de nada.


Reconheço no entanto que, embora admire algumas coisas do pensamento oriental, não consigo "engolir " a China e os chineses. (Falarei disso num próximo post)

E não me venham dizer que o povo não tem culpa!

Tivemos Mao, tivemos Tiananmen, tivemos a vergonha de ter filhas mulheres, temos a proibição de ter mais de um filho por família....
Durante anos, e anos, e anos, os bébés do sexo feminino foram vítimas de infanticídios, de abortos provocados pelos pais quando descobriam que o feto era uma menina ou foram abandonadas nas encruzilhadas das ruas quando recém-nascidas.
Alguns pais escondiam-nas e não as declaravam ao Estado, correndo perigo de sanções e prisão, se fossem descobertos.
Na China, a preferência dos pais por filhos do sexo masculino é uma tradição profundamente enraizada, desde a Idade Média.. No filho homem, concentra-se a responsabilidade de manter os pais quando idosos, de lhes possibilitar um enterro solene, de fazer as oferendas sobre os túmulos deles para as necessidades após morte de acordo com a tradição confuciana.
Somente o filho homem herda os bens da família.
A menina, pelo contrário, está destinada a casar-se, independentemente de gostar ou não, de ser amada ou desrespeitada pelo marido. O divórcio ou separação está fora de questão. Uma vez casada, ela está casada para sempre e pertence à família do marido, exactamente como na sociedade feudal.
Deve gerar filhos, de preferência homens para o marido e fazer a sua vontade.
Até há alguns anos atrás, o símbolo da submissão da mulher era a prática de a impedir de desenvolver pés normais, por meio de ligaduras que lhes eram aplicadas desde os primeiros anos de vida. Os pés pequenos eram uma maneira de lhes tolher a liberdade de movimentos, de modo que a mulher ficasse praticamente presa em casa.
Uma mulher que não tivesse pés pequenos nem era aceite como esposa.

A China maoísta (1948 – 1979) tentou libertar a mulher dessas discriminações dando-lhe, teoricamente, os mesmos direitos políticos, económicos e sócio culturais que os homens. Pela actual lei, teoricamente, estão proibidos os matrimônios arranjados, a mulher pode pedir o divórcio ou separar - se, pode herdar e receber um salário em igualdade de trabalho com os homens.
Apesar disso, as desigualdades continuam ainda em todas as fases de sua vida e a mulher continua a ser desconsiderada na organização familiar.


Já tivemos isso tudo e mais todas as violações dos Direitos Humanos que o Mundo conhece e que continuam a existir. (Ainda assim, premiaram a China com a realização dos Jogos Olímpicos).

Mas quase ninguém fala do que fazem aos animais.
Dos Direitos dos Animais ninguém fala.
Alguém tem que falar por eles.


Nunca fui muito adepta das célebres lojas dos 300, que aliás agora, nem a 300 vendem mais nada.
Nem da proliferação das ditas em cada esquina.
Nem do facto, de sabendo que as pessoas lá vão, em busca do " baratinho", não se dêem ao trabalho de aprender uma palavra de português para atender os clientes.
Quando muito, alguns, interrogados sobre se têm um determinado produto, lá respondem " Tu vai. Tu plocula"
Pois é.
Mas eu não vou mais.
Sei que é difícil, hoje em dia, passar um dia que seja, sem de alguma forma usarmos alguma coisa que não tenha sido feita na China.
Mas eu vou tentar.
Eles que fiquem lá com a Maravilhosa Muralha da China.
Mais, de preferência, usem-na para não passarem para o lado de cá.
Pela parte que me toca,
ENCHI!







Desculpem, mas é de lágrimas nos olhos que escrevo este post e com muita, muita raiva no coração.

19 nhận xét :

susy claro said...

Olá
Confesso que nao tive coragem para ver o vídeo... fico muito impressionada com imagens de sofrimento de seres inocentes, sejam humanos ou animais. Entendo a tua raiva e indignacao... mas esses milhares de lojecas de má qualidade só vao deixar de aparecer em todas as esquinas quando as pessoas optarem pela qualidade em detrimento da quantidade. Mas com as actuais dificuldades, vai sendo difícil... Eu raramente compro nessas lojas, até porque acho sempre que osprodutos devem ter sido confeccionados por criancas ou adultos explorados...
Como tu, também gostava de poder alterar muitas das situacoes que conhecemos da China e de outros países que desconhecem palavras como "liberdade", "democracia", "respeito"...
A questao dos Jogos Olímpicos é uma prova importante da hipocrisia que vai por este mundo...
É pena...

Ana said...

Não tive coragem de ver o vídeo, linda...

E fiquei com um aperto no peito, uma falta de ar libertada pelas lágrimas que foram escorrendo pela cara.

Também creio que não sou quase'-ista' de nada, mas sou '-ista' de apologista que todos merecem uma vida digna e com direitos iguais.

Senti cada palavra que escreveste e sim, infelizmente... É mesmo assim...

aquele abraço

Jotabê said...

É sem dúvida nenhuma muito cruel.
Como cruel também é o que se faz por todo o mundo, incluindo Portugal, com as galinhas, porcos, vacas, borregos cabritos, coelhos, etc., etc.
Os chineses só alargaram aos cães e aos gatos, o lote de animais que fazem parte do seu habitual consumo de carne. Aliás, devido ao tamanho da sua população, os chineses comem tudo o que mexe.
O que choca aqui fundamentalmente, é o facto de estarmos em presença de animais, que para nós ocidentais, são utilizados como animais de companhia, associados a manifestações de carinho, há pessoas que tratam melhor o cão ou o gato que têm em casa que um sobrinho.
Para os chineses, são só mais duas variedades de carne.
Recebi há dias também um vídeo via email, também como protagonistas os chineses, acerca da pesca de golfinhos, imagens igualmente impressionantes pela sua crueldade.
Sabes, estes temas a mim suscitam-me sempre algumas reservas, o mundo avança e os factos sucedem-se a um ritmo louco, e fico com a sensação que apesar de todas as leis que se fazem, convenções, organizações em prol de, etc., temos sempre a casa desarrumada, o mundo mais concretamente, senão vejamos

Razões éticas para maioria dos países do mundo, e razões económicas para outros, fazem limitar a manipulação genética, não só na área da medicina, como também na área alimentar, não foi há muito tempo que houve aqui mesmo em Portugal manifestações no Algarve contra o milho transgênico, os efeitos nefastos para a saúde deste tipo de alimentos é discutível, pesticidas, hormonas, e antibióticos, são-no bem mais prejudiciais, e estão regulamentados para as produções actuais
Milhares de cientistas por todo o mundo trabalham na biotecnologia, que visa não só a modificação das plantas, como também, animais, microrganismos e seus derivados, debatem-se não só com razões óbvias inerentes aos estudos científicos, como também com a inércia das organizações

Sem querer desviar-me do objectivo central do teu post, reconhecendo a tremenda crueldade das imagens, enaltecendo a tua sensibilidade e solidarizando-me com a tua raiva, deixo-te aqui uma pergunda em forma de reflexão, que eu próprio tenho feito a mim próprio

sendo a população mundial constituída por 6,5 biliões de pessoas, a china com 20% dessa população, ali pelo bilião e pouco, como é que se vai alimentar aquela gente toda?

Às vezes no prfundo da minha mente sai-me uma resposta do tipo, ‘comam pedras’, mas depois volto à realidade e fico-me pela reflexão.

:|

beijos e desculpa lá o tamanho do comentário

Manuel Damas said...

Um beijinho...

Blue Velvet said...

Suzy Claro,
tens toda a razão: a realização dos Jogos Olímpicos em Beijing é a prova provada que o Mundo se verga sempre aos interesses económicos das grandes potências.
Que raio de Mundo, este onde vivemos.
Beijinhos e volta sempre

Blue Velvet said...

Beijinhos Ana,
vai voltando.
É um prazer ler-te.
Beijinhos

Blue Velvet said...

Querido Jotabê,
adoro os seus comentários em jeito de post :)))
E à sua pergunta, respondo com a sua resposta, mas mais acescentada:
Comam Pedras com arroz, com soja, com legumes, com o raio que os parta, mas COMAM PEDRAS, que é exactamente o que aqueles estômagos degenerados merecem.
PKP
Beijinhos e veludinhos

Blue Velvet said...

Prof,
os seus beijinhos são sempre bem vindos.
SE vierem acompanhados de um comentáriozito, é ouro sobre azul
Beijinhos e veludinhos

Manuel Damas said...

Oh "Bluesinha"...a menina sabe perfeitamente que eu ando atrapalhado com a falta de tempo para organizar decentemente a conferência de amanhã na Univerisdade Católica!!!!!!!
Mesmo assim...aqui fica mais um beijito, com um post!
:))))))))))))))))
Oh "Blue"...aqui entre nós que ninguém nos ouve, eu tirava a moderação do blog...
As atitudes ficam com quem as pratica,
mas a menina-doutora é que sabe!
:P

Templo do Giraldo said...

http://templodogiraldo.blogspot.com/


Passem por aqui.


saudações.

macaw said...

Ai minha linda o que me fizeste lembrar agora! Eu reconheci o vídeo, já o tinha visto há uns bons tempos atrás! Horríiiiiivel mesmo!

Quanto à china, é curioso, porque não tem muitos dias que ouvi nas notícias que essa tradição é capaz de mudar pelo facto de a população estar a diminuir. É que para além de se recusarem a ter filhAs, também não podiam ter muitos filhos.
Esperemos que mude mesmo.

bjinhos ;))))))))))

Lisa's mau feitio said...

Veludinho...

não consegui terminar de ver o vídeo...

Mesmo a serem mal tratados... Indescritível é o mimo que se vê um gatinho fazer a outro sabendo do sofrimento que os aguardava... Iguais a nós, os animais...

Saio chocada.
Muito.

espero que estejas bem, minha querida

Lisa

Oliver Pickwick said...

Triste e lamentável! Não me considero da mesma espécie desses caras. Por certo, tem um "sapiens" a menos.
Beijos!

Ricardo said...

Ora bem...
Concordo com quase tudo que aqui disseste.
Vou apenas salientar aquelas "verdades" que apenas o são de boca:
1) na China é permitido ter mais que um filho a pais que sejam filhos únicos (não é que faça alguma diferença, mas é só para corrigir o que disseste).
2) A pena de morte é obviamente condenável, mas os EUA também a têm em alguns estados.
3) Os matrimónio arranjados não são originários na China (vidé India, por exemplo).

Eu não quero parecer defensor do governo Chinês (porque não o sou), mas não gosto que se meta tudo no mesmo bolso.

Sou um orgulhoso descendente de um analfabeto camponês Chinês que no século passado, bem no início, se conseguiu "por a andar" juntamente com 2 irmãos. Trabalhou pelos países por onde passou até chegar a Portugal.
Cá montou um negócio que rapidamente se transformou numa pequena fábrica. Empregou diversos trabalhadores portugueses, que sempre o adoraram. Nunca precisou de "subsídios governamentais" nem de "rendimentos mínimos". Chegou sem nada, lutou e foi bem sucedido. 30 anos depois da sua morte ainda há quem se lembre do chinês que vendia gravatas e malas.
Casou com uma portuguesa (primeiro casamento católico entre um chinês e uma portuguesa realizado em Portugal), teve 5 filhos e mais de uma dezena de netos, nos quais orgulhosamente me situo.

Conheço relativamente bem a comunidade chinesa residente na cidade do Porto. Trabalham. Muito. Não "chulam" o governo e a nós todos por tabela.

Pela memória do meu avô, recuso, portanto, que se meta tudo no mesmo bolso.
Há chineses e chineses da mesma maneira que há portugueses e portugueses.

Peço desculpa pelo discurso longo, num espaço que não me pertence.

Manuel Damas said...

Há desafio novo!

Ricardo said...

Gostava apenas de acrescentar o seguinte, porque o texto no fundo fala do direito dos animais.
- Já alguma vez foste a um matadouro ver o que por lá se passa?
- Quantas vezes assististe a uma matança do porco?
- E o degolar de um peru?
- E a morte do touro em plena arena tão popular em Espanha (e Barrancos) - Vais deixar de comprar roupa na Zara, Mango, etc?
- Quantas portuguesas usam casacos de pele?

Saibamos distinguir as culturas.

- Não chocará um muçulmano que nós comamos carne de porco?
- Não chocará a um Indiano que nós matemos as vacas para comer?

Quanto aos Jogos Olímpicos, volto a bater na mesma tecla:
- Quantas vezes foram realizados no EUA? Também há pena de morte por lá.

Blue Velvet said...

Ricardo,
não tenho por hábito responder aos comentários que me deixam.
Faço-o excepcionalmente, não porque não gostasse, mas porque não tenho tempo.
De qualquer forma, neste caso, e até porque é a 1ª vez que me visita, vou deixar-lhe um re-comentário:
É evidente que todas, ou quase todas as culturas têm hábitos ou costumes que podem chocar, embora uns choquem mais que outros.
É certo que tem razão quando diz que há chineses bons e maus,e isso aplica-se aos portugueses, aos americanos, aos negros, aos indianos, enfim, por aí fora.
O facto de neste post me ter insurgido contra a forma desumana como são tratados os cães e gatos na China, não significa que concorde com a soutras barbaridades que nomeia.
Mas, vou responder-lhe, em tempo:
1º Sou vegetariana. Não como qualquer espécie de animal. Entendo que não tenho esse direito.

2º Sou absoluta e veementemente contra as corridas de toiros, sejam ela de morte ou não.

3º Sou contra a pena de morte, embora nalguns casos a aceite. Não lhe vou explicar aqui, porque seria longo, mas como advogada, entendo que em casos de flagrante delito e de crimes cometidos com extraordinária violência e maldade deva ser usada.
Até porque, não o sendo, como acontece nos Estados Unidos, os criminosos cumprem 2 penas: uma de prisão quase perpétua ( chegam a estar 15 anos presos...à espera de serem executados!!!), e depois a pena de morte.
Acredito, no entanto, que as condições em que eles estão não se assemelham ao que acontece na China.
Quanto às vacas na India, entendo que nem devem ser adoradas e sagradas como lá, nem comidas como nos outros países.
Espero que tenha entendido a minha posição e creia que não quis ofender ninguém, apenas revoltar-me contra ao Mundo cruel em que vivemos, em que os fortes entendem ter o direito de fazer o que querem com os mais fracos, incluíndo os animais que não se podem defender, e sobretudo, que só nos dão amor.
Volte sempre

Sandra T said...

A violência das suas palavras é em tudo igual à das imagens. Quanto a não ser "ista" em nada - disso já tenho dúvidas.
Crianças, por exemplo, hão de ser crianças no mundo inteiro e, cá por mim, o mundo que lhes quero deixar é de tolerância e igualdade.

Pekenina said...

Vi o vídeo. E não sei se tens conhecimento de um outro sobre golfinhos (que não sei se é na China ou no Japão) onde é um terror pior que este.. Eles até podem ter falta de comida e ter necessidade de comer cães e gatos, ou seja lá que motivo for. Mas não há motivo que justifique este CRIME.
Desculpa a exaltação, mas se há sensibilidade que tenho, é para com os animais... é por essa razão que não tenho nanhum: comigo, não teriam a atenção devida que acho que um animal merece.
BEIJO*