6 January 2008

AMIGOS



Recebi hoje o 5.078.980.456 mail, em Pps, sobre a amizade e os amigos.

Claro que agradeço a quem mo mandou, mas eu, como a maioria de vocês, já acho comum e fácil demais afirmar a nossa amizade por alguém, com um simples e cómodo clik numa tecla.
Desculpem-me, eu sei que me conhecem mal, mas eu quero mais.
Sempre quis.
Da Amizade e do Amor.
Quero muito.
Quero tudo.
Como da vida, aliás.
Não sou, nem nunca fui de meias tintas. É o 8 ou 0 80.
Para ser meu amigo, meu amor, não basta ter a 4ª classe. É preciso ter um curso superior, se é que me entendem.
Fiquei a olhar para o mail, e de repente lembrei-me de um poema lindo do Óscar Wilde, do qual é muito conhecida uma frase que virou citação:
"Anybody can sympathize with the sufferings of a friend, but it requires a very fine nature to sympathize with a friend’s success."
Em versão brasileira, ( não encontrei em português...):
Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer,
mas pela pupila.
Tem que ter
brilho questionador e tonalidade inquietante.

A mim não interessam os bons de espírito
nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim
louco e santo.

Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias
e aguentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.

Quero os santos,
para que não duvidem das diferenças
e peçam perdão pelas injustiças.

Escolho meus amigos pela
alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo,
quero também sua maior alegria.

Amigo que
não ri junto,
não sabe
sofrer junto.

Meus amigos são todos assim:
metade bobeira,
metade seriedade.

Não quero
risos previsíveis, nem
choros piedosos.

Quero amigos sérios,
daqueles que fazem da realidade
sua fonte de aprendizagem,
mas lutam para que a fantasia não desapareça.

Não quero
amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!

Crianças,
para que não esqueçam o valor do vento no rosto;
e velhos,
para que nunca tenham pressa.

Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos,
bobos e sérios,
crianças e velhos,
nunca me esquecerei de que "normalidade"
é uma ilusão imbecil e estéril.
Óscar Wilde

Ganhou o 1º prémio do Festival de Cannes, em 2006.
video

24 nhận xét :

MentesSueltas said...

Dejo un abrazo desde Buenos Aires, con todo mi afecto.

MentesSueltas.

Maria said...

Exige sempre tudo.... metade terás, com certeza...
Não sei quem disse isto, mas foi o que o teu post me lembrou...

Bom domingo, veludo....

Zé Pedro said...

Amiga,

Já somos dois..., não me contento com o suficiente praticamente em nada..., mas de vez em quando já tenho dissabores graças a isso.

Mas como eu digo, já não é defeito, é feitio, e não o consigo mudar por muito que tente.

Um Beijo do Catano !!!

a.filoxera said...

Claro que queres tudo! É isso que perpassa da tua escrita. Quer fales de amor ou de amizade.
Continua assim, exigente. Todos devemos sê-lo. Porquê fazer as coisas pela metade?
Faz lembrar aquele anúncio da metade da reforma, com um 2x2, a ver metade dos netos meio a brincar, com um meio sorriso...
A minha saudade por inteiro. E a minha amizade também. Até breve.

Zé Pedro said...

A modos que muito corado...

Veludinhos retribuídos ao quadrado !!!

Zé Pedro said...

Lembrei-me agora,

Ainda bem que é na parede do quarto, e não na da casa de banho..., LOL

Beijo do Catano !!!

Xana said...

Assim sejas Amiga, e queiras sempre tudo... alguém que escreve tudo, não podia pedir menos para o ser...estar...existir.

Adorei bastante...

E...adivinhás-te o suficiente em meu sentir...

Beijo completo...boa semana.

Joseph said...

Blue Velvet
Olá

Que post engraçado.
O mail não fui eu que to mandei, porque não sei o teu email; e até gosto de enviar mails, mas tento sempre encaixá-los na personalidade das pessoas a quem os envio.

O nº. do mail é um espanto....

O poema é grandioso.

Beijinhos**

Homem sem rosto said...

Lindinha

Uma vez que estou impossibilitado, pelo presente texto, de lhe chamar de amiga sou pela presente a desejar-lhe um Prospero ano de 2008.
Beijos deste teu amigo.

Joseph said...

Blue Velvet

Já fui ler o post sobre a Esmeralda, fiquei bem elucidado, está escrito de forma a que todos possam perceber bem o âmbito do problema e vamos lá ver o que é que os tribunais decidem.

Tem que se aguardar, não é.

Beijinhos** :)

oskar said...

que rica surpresa!!!
quem escreve assim nao e gaga!!!
ou se e tem muita vontade de extravasar!!!
usar comuns expressoes e enriquece-las no seu todo!!!adorei!

MIMO-TE said...

Incrivel, mas o tema não podia ser outro ou de outra forma.
Ora, vai ao meu blog e vê!!!

Miminhos em ti

FM said...

MERECES o PRÉMIO que aguarda por TI no meu Bloguinho.
Obrigado pelo contributo para que o meu cantinho seja, cada vez mais, um Blogue com boas Essências.
PARABÉNS!

Natyx Lisboa said...

Excelente blog...excelente gosto nos textos..

contentar-se com pouco é como nunca ter coragem de provar as essenciais mais gostosas do arriscar!
Beijinhus ^^

Su said...

E eu, que não faço a minima ideia de quem sejas, estou completamente de acordo contigo... de tal modo, que já coloquei tb esse poema um dia no meu blog.
E para que fique escrito, a minha primeira lagrima de 2008 se deu pelo filme que aqui deixas-te.

Feliz 2008!

Blue Velvet said...

Amigos,
não tenho por hábito comentar os comentários que me deixam.
Tão só porque não tenho tempo.
Muito excepcionalmente faço-o, por uma razão em especial.
Desta vez tenho 3 razões.
Aqui ficam:
Em 1º lugar porque através destes comentários fiquei a saber que tinha ganho um prémio, desta vez a dobrar, já que houve 2 amigos desta viagem virtual que tiveram a gentileza de me distinguir com o mesmo prémio.
Agradecerei no lugar próprio, ou seja, no blog,mas aqui fica a pergunta: assim sendo posso nomear 10 blogs em vez de 5??? Hihihi

Em 2º lugar o facto de um mesmo post ter sido comentado por quem vive por aqui, e por alguém que vive em Buenos Aires e na Martinica.
Nunca pararei de me sentir deslumbrada com a maravilha da tecnologia que permite isto e, simultaneamente agradecer, a quem, de tão longe, se dá ao trabalho de enviar o seu carinho.

3º Agradecer à Su as suas lágrimas e dizer a quem aqui passa que dêm um salto ao blog dela.
Eu gostei muito e sei que também irão gostar.
Um obrigada a todos, e veludinhos distribuídos sem parcimónia

João Cordeiro said...

Olá BLUE VELVET!
PRIMEIRO QUERIA AGRADECER A SIMPÁTICA VISITA AOS MEUS DOIS BLOGUES.
DEPOIS, QUERIA SUBLINHAR COM TRAÇO FORTE O TEU POST DE HOJE.
É VERDADE, QUERIDA BV, HOJE BASTA UM SIMPLES “CLICK” PARA FAZER CIRCULAR UM TEXTO SOBRE AMIZADE.
CONCORDO EM ABSOLUTO CONTIGO… UM VERDADEIRO AMIGO NÃO PASSA POR UM INSIGNIFICANTE “CLICK”.

Esta reflexão não faz parte de qualquer livro que escrevi, nem penso em escrever.
É apenas uma confissão, um desabafo.
Faço-o através da escrita, pois penso que me explano melhor. Este é um tema que está constantemente na minha cabeça. A amizade.
Penso… cogito e quando mais me impregno no tema mais fico pensativo, para não dizer triste.
Conheço muita gente de facto, mas amigos…
Talvez o problema seja meu. Eventualmente dou-me de mais a conhecer.
Talvez tenha um certo medo de sofrer com algo proveniente dessa amizade, não sei.
O que sei é que se sofre.
Valerá a pena entregarmo-nos de coração aberto a quem nos rodeia?
Percebo, entendo, descubro e lamento a ignóbil natureza do Homem.
Cada segundo martela-me a alma na longevidade que a vida me impõe. Sinto o sufoco do ser perante o arresto do corpo.
As grilhetas do quotidiano arrastam-se a meus pés, implorando-me que fique, para que massacrem ainda mais o corpo.
Cansada, a alma perde as asas, entrega-as, devolve-as, para não mais visitar as ilusões dos sonhos de que se alimentava.
Quero devolver o corpo, qual fato alugado em vésperas de festa, mas ninguém o quer receber.
Quero partir, comprar um bilhete de ida, para não mais voltar, mas a realidade nega-me a vantagem de poder voar para lá do horizonte, nega-me a tranquilidade que o corpo clama, nega-me tudo, porque afinal apenas me cabe nada.
O tempo pára, entre cada segundo, para me recordar que tenho de senti-lo passar, na pele, na vida, na dor que provoca ao riscar-me a face, ao quebrar-me o corpo, deixando-me curvado sobre o próprio peso da realidade.
Esta noite não sonhei, apenas não dormi, porque a alma sangra ao perceber que este não é o meu.
Tenho amigos que não sabem ou não querem saber o quanto são meus amigos.
Não percebem a verdadeira amizade que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor. A amizade podemos compartilha-la, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são fundamentais, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
E, se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite tê-los sempre ao meu lado, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber o que é a verdadeira amizade.
Por vezes vacilo como uma árvore agredida por um vendaval e assaz penso: “ Não vou deixar que me usem e deitem fora, como fazem a um amarrotado maço de tabaco.”
No entanto não só me deixo amarrotar, como acabo pisado por um pé sem escrúpulos. Tento lutar contra o menino que se deixava levar e que se afundava pelos sentimentos, esse, morreu há já algum tempo.
Matei-o assim que descobri que, se não o matasse, matava-me ele a mim.
Foi uma questão de sobrevivência. Legítima defesa.
“A morte é uma puta!” Afirmou e sem qualquer tipo de melindre, Lobo Antunes numa das suas entrevistas.
É-o de facto. Mas no meu fraco intelecto julgo que a vida ainda é mais puta, pois tudo nos cobra. Até a própria honestidade e sinceridade temos de pagar. Triste…
De noite cerro os meus olhos. Lágrimas melancólicas percorreram-me os sulcos do rosto. Embora nenhuma palavra minha alcance o mundo, ou vá alterar o pensamento, ainda assim… escrevo.

Desculpa-me o “testamento” e o desabafo com alguém que nem conheço, mas que me tocou com a sua escrita.
Quanto ao escritor, obrigada pelo elogio, mas tal como no circo, existe o palhaço rico e o palhaço pobre…
Eu, no circo dos livros sou certamente o palhaço pobre.

Um beijo sonhador e aveludado em tons de azul.

JC

Olá!! said...

Esse video é de um "tocar no coração" imenso...
Beijinhos muito grandes para ti

Som Do Silêncio © said...

Minha doce e querida blue, tenho de confessar que não sou Formada, mas em compensação dou sempre o melhor de mim aos amigos. Adoro vir ao teu blog, não o faço com a frequência que o mereces. Mas estas sem dúvida alojada bem aqui dentro do meu humilde coração.
Desejo-te um dia maravilhoso!
Beijos macios como o teu veludo :)

Fláh said...

è também recebo muitos Pps sobre amizade, normalmente são de amigos e recebo de muito agrado, pois se tiraram um tempinho pra lembrar d mim no email, já valeu a pena.

:)

Ricardo Soares said...

veludo azul ... muita saúde e paz pra vc... sempre politicamente incorreta!!!! bj

Oliver Pickwick said...

Conceço os dois, Velevet! O clip e o poema. Mas nunca é demais tornar a vê-los.
Beijos!

Pekenina said...

Também exigo muito. Só não sei de exigo demais... Desculpa só aparecer agora, mas o ano novo não está a começar propriamente bem..

Blue Velvet said...

Querido João,
obrigada pelo seu comentário.
Lindo.

Olá, foste a única, além do Oliver, que comento o vídeo.
Isso tocou-me.
Beijinhos.

Som do Silêncio
És formada sim. Como percebeste não me referia a habilitações literárias.
Não sei as que tens, nem me interessa.
Interessa-me que em carinho e sensibilidade, és Formada, sim.
Beijinhos

Fláh, também gosto dos Pps, mas não chega, né?

Ricardo Soares, enquanto viver, serei sempre.

Oliver, seu sabichão, logo vi que conhecia o vídeo.
Beijinhos

Pekenina, nunca se exige demais.
Como disse o poeta: quando não se deu tudo, nada se deu.
Se precisares de colinho, avisa.
Beijinhos