22 January 2008

LÁ LONGE, E AQUI


De noite
só quero vestido
o tecido dos teus dedos
e sobre os ombros
a franja do final dos cabelos.

Sobre os seios
quero a marca
do sinal dos teus dentes
e a vergasta dos teus lábios
a doer-me sobre o ventre

Nas pernas e no pescoço
quero a pressão mais ardente
e da saliva
o chicote
da tua língua dormente
Maria Teresa Horta CANDELABRO, 1964

13 nhận xét :

Carminda Pinho said...

"lá longe e aqui"...também.:)

Beijos

Sol da meia noite said...

O querer subjacente a estas palavras leva a quê... interrogo-me. Talvez a um momento apenas. Depois o quê mais? A saudade, as dúvidas, as interrogações... Arrependimentos, quantas vezes...
Porque quereres e momentos assim, são em geral bem efémeros... Momentos intensos, vazios intensos...
Porque tanto do que julgamos querer, leva ao nada que nunca quisemos.

Beijinhos

Olá!! said...

Sensual...
Beijossssssss

Lorenzo Monsanto said...

Eu ontem nem lhe agradeci como deve ser.
Faço-o hoje. Agradeço-lhe o prémio. Fiquei extremamente contente, por ter sido reconhecido.

Desculpe se a "desiludi" por não nomear ninguém.

Agradeço uma vez mais.

***

MIMO-TE said...

1964! Eu vi bem? Este poema é de 64???

Fantástico...
Estou de queixo caido!!! :)

Bjo
Mimo-te

parvinha said...

Não posso passar na tua página fico com os animos exaltados, no bom sentido, óbvio!
Vou adicionar-te no meu grupito, pois gosto de passar por cá.
lindo poema, ainda bem que gostou do meu, eu gosto de escrever na primeira pessoa, mas há dias que me apetece outras coisas.
Em breve vou escrever sobre o Afonso o meu fiel amigo
beijinhos e um bom dia

parvinha said...

Lindo o cachorrinho, esqueci-me de dizer, estava a rir sozinha se me lançasses tal desafio, como fizeste á nossa olázita e lisa, eu escreveria, "serei uma trama na cama?", ainda bem que não o fizeste.
mil beijinhos

Blue Velvet said...

Carminda,
sinto-me privilegiada por ter um comentário seu às 06.20 da manhã.
Obrigaga, querida.

Linda Sol,
é tudo verdade o que dizes, mas há momentos na vida, que valem uma vida inteira.
Beijinhos

Olázinha, sensual hein?:):)
Beijinhos

Lorenzo
agradeceu uma vez, basta. :)
Não fico nada desiludida.
Cada um é livre de fazer o que quer das suas coisas, e o prémio é seu.
A tal coisa da liberdade, percebe, não percebe?
Beijinhos

Mimo-te,
64 é verdade.
A senhora é um génio.
Beijinhos

Gigi,
ainda bem que ficas de ânimos exaltados.
No bom sentido:)
Venha a história do Afonso.
Estou à espera.
beijinhos

Maria said...

Esta Mulher escreve o amor no feminino como mais ninguém. O amor carnal, diga-se...

Beijinho

Um Momento said...

Uau...
Adorei simplesmente!!!~
Momentos de desejo que no momento nos enche...
Depois...fica a lembrança ou então ...
Recomeça-se tudo de novo:D

Beijo Grande !

(*)

Alexandre said...

Eis como em poucas palavras se pode dizer tanta coisa, o essencial da vida, no fundo, não vale a pena esconder, as necessidades são inerentes aos dois géneros sexuais. Basta das pessoas se privarem do que dá prazer a «coberto» de uma moral imoral! Lindo este poema da Maria Teresa Horta, apetece lê-lo várias vezes e senti-lo!

Muitos beijinhos!!!

Oliver Pickwick said...

Este, a poetisa escreveu com tinta à base de sangue de dragão. Docemente sensual!
Beijos!

Noite said...

A sensualidade vestida de formas poéticas.