29 August 2008

JUST A BOWL OF CHERRIES


Contei os meus anos e descobri que terei, eventualmente, mais ou menos para viver, os anos que já vivi até agora.
Daqui para a frente sinto-me como uma menina a quem deram uma tigela cheia de cerejas.

As primeiras, chupei-as displicentemente, mas agora que percebo que já tenho poucas, quero roer até o caroço.

Já não tenho tempo para mediocridades. Não aguento mais desfiles de egos inflamados.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que apesar da sua idade cronológica, são imaturas.

Não tenho tempo para ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões intermináveis que não levam a conclusão nenhuma.

Sem muitas cerejas na tigela, o meu tempo tornou-se escasso e a minha alma tem pressa.

Quero viver ao pé de gente humana que sabe rir dos tropeções, que não se encanta com triunfos, que não se considera eleita antes da hora, que não foge da sua mortalidade, que defende a dignidade dos marginalizados e deseja apenas caminhar do lado do Bem.

Quero desfrutar do amor, sem fraudes, absolutamente.

Só o essencial faz a vida valer a pena.

43 nhận xét :

titofarpas said...

Mas essas cerejas ainda podem ser muito bem aproveitadas...
Interessa realmente como nós nos sentimos e não somente contar a idade...
Beijos

Sunshine said...

As que restam são as mais saborosas. São aquelas a que damos mais valor.
Tenho dificuldade em perceber por que certas pessoas perdem tanto tempo com mesquinhices... estragando a sua vida e tentando fazer o mesmo com a dos outros.
Cabe-nos escolher o que queremos que seja importante na nossa vida. Gosto da tua escolha.
Beijinhos com raios de Sol

salvoconduto said...

Desfruta, desfruta que a vida é bela. Perguntar-me-ás: e os que dão cabo dela? Faz como nas cerejas, põe de lado!

Abreijo

Oliver Pickwick said...

Teiquirisi, Velvet. Tem cerejas para um batalhão inteiro! ;)
Um beijo!

Maria said...

E não é que estou de acordo contigo?
O essencial, é isso, Blue Velvet...
... o essencial !!!!!!

Beijinhos azuis

Antonio saramago said...

Podes comer a última cereja à vontade porque a tua cerejeira não morre!
Quanto aos caróços, ainda vais ter muitos para roer muito levemente e sem amargarem.

C NARCISO said...

Descrição muito "sui generis". Pensamento interessante. A quem se destinarão essas palavras? Quem serão os "egos inflamados"?

sagitario said...

apesar de não gostar de cerejas, estou plenamente de acordo com a ideia.
O que é preciso nesta vida é viver-se um dia de cada e o melhor possível. o resto é nada

Luís Galego said...

O tempo é o único capital das pessoas que têm como fortuna apenas a sua inteligência
Honoré de Balzac

Não há tempo para ser infeliz....portanto disfruta o amor JÁ!!!

Carlos Barbosa de Oliveira said...

À medida que vamos envelhecendo,adquirimos a capacidade de saborear melhor as coisas. É por isso que as cerejas que restam no fundo da tigela( gostei da sua imagem) se tornam tão saborosas, como aquelas que comemos todos os anos pela primeira vez em Maio. Quem não tiver aprendido isso até aos 40, estará velho aso 50 e será um caco aos 60. Desfrute as cerejas todas!

Carlos Barbosa de Oliveira said...

Só mais uma coisa... este post é excelente!

Cecília said...

Compreendo-a perfeitamente, nas contas, nas impaciências, no nó do estômago que se sente quando temos de lidar com um sorriso, ou com um punho firme em cima da mesa, a baixeza e a mesquinhez de certa gente.
Mas também concordo que as últimas cerejas são as melhores...mesmo inconscientemente deixamo-las sempre para o fim, para lhes prolongar o gosto.
Saboreie-as bem ou partilhe-as - às vezes também é bom!

Fiona de Bourbon said...

Que texto legal, blue. Gostei. E a idéia é bem essa que vc falou. Também ando me sentindo exigente com o mundo. Faz parte da maturidade. Já não me contento com imitaçoes/fraudes. Ou é ou não é! Não tenho mais tempo e disposição pra certas coisas. Tava pensando exatemente sobre isso um dia desses.

bj

Filoxera said...

E essa última frase foi a cereja no topo do bolo...
Beijinhos, amiga.

Raphaela Cravo e Canela said...

O essencial é o que fazemos com as cerejas... Aproveite!
Bjos

f@ said...

Eu nãp penso como tu... porque não imagino viver os anos mas o dia o minuto ... agora...queria ter recebido a tacinha de cerejas ou de morangos ... que não têm caroço... mas preferir colher uma cesta de amoras silvestres e subir às laranjeiras para "roubar" laranjas... e já não tenho desses frutos com aquele sabor... agora espero o tempo das romãs e fico a saborear os cristais...
tb gosto de maracuja pela imagem da polpa e "sabor breve" comido em duas colheres de chá...
há pessoas que nem usam relógio e outras usam para medir o diametro dos pulsos ... é por ai... no pulso que medimos o tempo/qualidade da vida...
beijinhos das nuvens

Ovinho Estrelado said...

Pois eu tenho tempo para isso tudo.


Talvez daqui a uns anos esteja farta, como tu. Mas, de momento, é como te digo: ainda tenho tempo. E adoro cerejas.
Bom fim-de-semana.

Patti said...

E agora as cerejas que estão para vir são as melhores.
Aquelas encarnadas escuras, enormes e doces do Fundão!

Saboreias lentamente e ficas sempre com o sabor mais tempo contigo...sem presas.
Como vale a pena.

1/4 de Fada said...

O mais interessante é que foi nestes anos mais tardios da minha vida que aprendi a desfrutá-la como deve ser... O melhor ainda deve estar para vir, espero. Gostei muito da tua metáfora.

adrianeites said...

"Só o essencial faz a vida valer a pena"

vim aqui parar por acaso...mas valeu a pena!

bfsemana!

Bernardo Moura said...

Gostei deste seu texto.
:)
Bjs

Donagata said...

Bluevelvet, ao ler o seu post constatei que tenho já muito menos cerejas a saborear do que aquelas que já gastei. Fiquei um pouco deprimida só em pensar aquilo que se desperdiça diariamente e que não tem retorno...
Mas foi bom . Obrigou-me a reflectir sobre o assunto.

Beijos-

BlueVelvet said...

Titofarpas,
é verdade, mas uma velhinha de 80 anos a abanar o capacete, vai ser difícil:))
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Sunshine,
tens toda a razão.
Também faço essa pergunta a mim própria muitas vezes e ainda não encontrei a resposta.
Beijinhos e veludinhos

BlueVelvet said...

SalvoConduto,
bom conselho, embora às vezes também elas nos engasguem...
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Oliver,
tem mesmo? Tá bom, vou acreditar em você.
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Maria,
sabia que ias concordar, amiga.
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

António,
obrigada pelas tuas palavras.
Espero bem que tenhas razão.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

CNarciso,
não se dirigem a ninguém em especial, mas a todos os que cruzam a nossa vida.

BlueVelvet said...

Sagitário
um dia de cada vez é uma bela receita.
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Luis,
então está bem.
Vou JÁ ver se o encontro:)))
Beijinhos amigo

BlueVelvet said...

Carlos,
obrigada pelas suas palavras.
Sempre gentil.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Cecília,
e não é que deixamos o melhor sempre para o fim?
Alguma razão deve haver...
Beijinhos

BlueVelvet said...

Fiona,
que bom vê-la por aqui.
Chegamos a uma altura que é como você diz: ou é ou não é.
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Filoxera,
ainda bem que gostáste amiga.
Mas tu ainda vais mesmo nas cerejinhas do topo:)))
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Raphaela,
obrigada pela visita.
Temos mesmo que tentar disfrutar de todas.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Fa,
isso dizes tu, porque nas nuvens não há tempo:))
Beijinhos amiga

BlueVelvet said...

Ovinho,
ainda bem que ainda tens tempo.
Aproveita-o bem.
Beijinhos

BlueVelvet said...

Patti,
já vi que és apreciadora de cerejas, como eu.
Mas parece que quando os filhotes crescem, comemos as cerejas mais depressa...
Beijinhos e veludinhos azuis

BlueVelvet said...

1/4 de Fadas,
ainda bem que chegou esse tempo para ti.
Fico feliz.
Beijinhos e veludinhos

BlueVelvet said...

Adrianeites,
obrigada pelas suas palavras e volte sempre.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Bernardo,
bons olhos te vejam:))
Ainda bem que gostaste.
Veludinhos azuis

BlueVelvet said...

Donagata,
não fique deprimida.
Eu estava um bocadinho quando escrevi isto. Mas não quero que se pegue.
Beijinhos:))