1 July 2008

EU E O RICHARD



Sempre tive uma relação de pacífico entendimento com as estrelas de cinema. Eu não as incomodo e elas – ou melhor dizendo, eles - não me roubam o sono. Isto se não contarmos com Richard Gere, a minha grande paixão no écran durante os longos anos em que “Oficial e Cavalheiro” foi o filme da minha (na altura curta) vida. Eu que nem em menina tive fascínio por fardas, não resistia ao porte elegante, ao ar sério e contido, às razões que o levaram a entrar para a tropa.
Tal como Debra Winger caí de queixos quando o charmoso recruta apareceu. Ah, era impossível resistir ! E cumpre-me aqui informar que no ano em que o filme estreou, eu era bem novinha o que, não retira qualquer valor ao meu afecto, já que se mantém até hoje.
Aliás, só aumentou depois de ficar ao lado dele numa reunião com o Dalai Lama. E os cabelos grisalhos...Ai, nem os psicanalistas conseguiriam convencer-me que tem a ver com as “ Father figures”. Quais father, quais quê!
Durante anos e anos, vi esse e todos os outros filmes dele, guardei-lhe um cantinho especial no meu coração ( mesmo ao lado do Robert Redford ) e graças às 835.127 vezes que vi os filme além de - "duhh !" - saber as canções de cor, ainda consigo reproduzir os diálogos das minhas cenas preferidas. E agora que falo nisso, acontece-me o mesmo com todos os outros filmes da minha (entretanto bem mais longa) vida.
Guardo os bilhetes, os “trailers” e as palavras.
Lá estão as palavras, sempre as palavras. Que falta de originalidade a minha !
Hoje acordei com o Richard Gere. Tive sorte porque não consigo imaginar-me a acordar com o Tom Cruise ou com o DeCaprio nem mesmo na versão Howard Hughes – e antes que o lado preverso da vossa mente dispare, deixem-me explicar que, mais uma vez, deixei a televisão ligada toda a noite, pelo que, assim que recobrei a consciência, vi o dito a falar sobre as mulheres da sua vida. Normalmente, é o meu cão que me acorda quando tenta verificar se eu já abri os olhos, por isso é sempre uma variante agradável acordar com... um focinho diferente.
E às tantas (sim, porque esta introdução imensa era só para vos contar isto) dizia ele:

“Sabemos que amamos alguém quando lhe queremos dar tudo”.

Pareceu-me bem, mesmo considerando a hora imprópria para filosofar, mas depois fiquei a pensar: “Será que quando já não nos apetece dar nada é porque deixámos de amar ?”
Mas fui tomar banho sem encontrar a resposta.

10 nhận xét :

Patti said...

Ai milhéri, também já acordei tantas vezes com esse mocinho.......

Quem é que pode esquecer o Oficial e Cavalheiro?

Sabes que estreou na passada 5ª -feira o último filme dele?
Grisalho ainda é mais bonito!

Maria said...

Quando não nos apetece dar nada estamos apenas cansados(as).
Depois passa e voltamos a dar tudo...

Um beijo e um axê

Filoxera said...

Provavelmente, é.
Beijos.

f@ said...

Sim, tb na minha modesta opinião de quem nada percebe sobre a "7ª arte" ...Com o "focinho" + ou - belo, e porque o velho ditado que a vida nos vai dando vale sempre( quem feio ama bonito lhe parece)....
Há sim, (estava nas nuvens..), quem ama quer mesmo dar tudo... se não pensamos em dar...se para tudo o o que olhamos e sentimos não nos faz pensar no outro e não temos ao menos uma flôr ou um beijo... então o outro não existe...não amamos, tão pouco gostamos...
depois digo-te melhor quando descer das nuvens... beijinhos

Pitanga Doce said...

Ó mulher, e tu ainda vais questionar o Richard? Deixa lá o homem dar o quê e quando quiser que a gente pega. hehehehe

Ricardo said...

Já estou a imaginar o Dalai Lama:

"Quem é o rapazote ali ao lado da Blue?"

1/4 de Fada said...

Eu adorei o filme! Foi um complexo de Édipo o tempo inteiro, porque o meu pai é da marinha e era o homem mais bonito do mundo, principalmente no Verão, de farda branca! Adoro homens de farda da marinha ou de fato e gravata, à conta do meu pai! Os cabelos grisalhos, também são um charme, Édipos à parte. E à medida que vou ficando mais velha, cada vez acho menos piada aos miúdos. Não há nada que chegue aos calcanhares de um homem maduro, cheio de charme... Repara no Chico Buarque - não tem nada de especial, está a ficar cada vez mais velho e, se me cantasse a canção do bandido, eu nem pensava duas vezes, alguém conhece melhor a alma feminina do que ele? Pelo menos aparentemente, claro, que às vezes as aparências iludem...

jasmimdomeuquintal said...

mas que belo acordar...
quanto á pergunta? não queiras saber a resposta, fica assim na expectativa.
bjs e bons despertares, ou pelos desperta sempre em boa companhia...

LeniB said...

Eu cá sonho acordada todos os dias e rezo a deus para me colocar um desses lindões à minha frente, assim, como quem não quer a coisa!!!
bjs

Carminda Pinho said...

Vi, revi, e tornei a rever esse filme. Gostei dele sempre.
Do Oficial, nem te digo nada...... tenho queda para fardas brancas, coisas da vida...:)))

Acho que sim...se não me apetece dar nada é porque já não amo. Posso gostar, amar não.

Beijos